sábado, 13 de abril de 2013

Brusque vai ter novo presidente. Atrasado, começa o planejamento

Alain Rezini / TV Brusque
O Blog volta a falar do Brusque depois de um bom tempo. Finalmente, apareceram novidades que, finalmente, vão dar um pontapé inicial no trabalho do time para 2013.

Na quinta, o agora ex-presidente Mauricy de Souza entregou a sua carta de renúncia ao Conselho Deliberativo. Era algo que já vinha sendo anunciado, já que ele, além de ter uma pífia gestão em 2012, rebaixou o time para a segunda divisão, foi um fracasso no planejamento de marketing e não tinha se mexido para a montagem do elenco para 2013. Resumindo, o clube estava jogado, com dívidas crescentes e com uma profunda desmotivação do torcedor.

Danilo Rezini, que presidiu o time até o final de 2011, volta (será eleito por aclamação no próximo dia 22), apoiado por empresários e pela Prefeitura Municipal, onde é secretário de desenvolvimento econômico. Seu retorno foi meio tumultuado: segunda-feira, ele chamou a imprensa para dizer que Mauricy não queria deixar o clube, alegando que exigia receber dinheiro referente a pendências que teriam sido pagas por ele. Tal exigência seria um empecilho criado de última hora, que não estava nos planos. Diante da pressão da torcida e imprensa, Mauricy resolveu renunciar dois dias depois.

Barco que segue. Hoje, o Brusque precisa recomeçar praticamente do zero. O clube não tem sede, o Estádio Augusto Bauer foi devolvido para o Carlos Renaux e o Centro de Treinamento está lá, mas funcionando de forma precária depois de duas enchentes que atingiram a região. Há de se montar a estrutura, resolver a questão do aluguel do Estádio e das moradias dos jogadores e, principalmente, contratar técnico e jogadores. Faltando 40 dias para o início da segundona, muita coisa há de ser feita em pouco tempo.

Mas não tenho dúvida que o time virá forte. Aliás, a segundona deste ano tem dois favoritíssimos ao acesso: Brusque e Marcílio Dias. Se algo der diferente disso, é zebra. Até porque a diferença de investimento da dupla ligada pela Rodovia Antonio Heil para os outros é enorme.


quinta-feira, 11 de abril de 2013

Só o Figueira consegue descanso na Copa do Brasil

Início de Copa do Brasil é o reinício daquela rotina das longas viagens. Teclo do Aeroporto de Campinas, depois de um jogo que o Joinville poderia evitar o jogo de volta na próxima quarta em Aracruz. Mas o time não tem problemas com o calendário. Eliminado do Estadual, o tricolor pode priorizar a competição nacional, e até o segundo jogo não é tão ruim assim, diante de quem precisa arrumar o time para a Série B.

Sucesso teve o Figueirense, que goleou a Desportiva e vai ter uma semana de folga entre os dois últimos jogos do returno do Estadual. Folga essa que será importante, já que Avaí e Criciúma precisarão entrar em campo e confirmar em casa as suas vagas. É risco de lesão de que o clube corre, sem contar o desgaste.

Se o Figueira fez sua parte, o Avaí vai ter que vencer o Voltaço. É amplo favorito, é verdade, mas não é uma missão fácil como a do Joinville, que se classifica se não tomar gols na Arena. A Copa do Brasil, em suas fases iniciais, é uma luta por gordas cotas da CBF. Times pequenos jogam a vida ali, e numa dessa, um franco atirador pode surpreender. O Volta Redonda é desse tipo, buscando um gol pra tentar complicar a vida avaiana. Tem que ficar de olho, e sem perder o foco do Estadual.

Lá em Aracruz eu vi o JEC com a chance de matar o confronto, mas jogando tudo fora com a expulsão de Marcos Winicius. Na verdade, o time de Arturzinho não foi muito diferente dos outros jogos, com a falta de um sistema de armação mais rápido. Mas diante de um Aracruz com muita motivação mas pouca força tática, dava pra matar o confronto. Com a expulsão, o time da casa se animou, conseguiu o empate, e diante do que estava acontecendo, o empate com gol fora de casa foi lucro. Depois de garantir a vaga na semana que vem, muita coisa vai mudar no JEC, já com os reforços que chegarão para a Série B e são tão esperados por Arturzinho, que não esconde o descontentamento com o elenco atual, que parece que não vai render mais do que já rende.

Segue o bonde, semana que vem tem mais.

terça-feira, 9 de abril de 2013

Zé do Gol não se adapta na China e quer voltar

Texto publicado hoje no Jornal da Manhã, de Criciúma. O atacante Zé Carlos, atualmente na China, alega que não se adaptou ao futebol no oriente e está louco para voltar.

“Tenho muita vontade de voltar a defender o Tigre”

“Se me chamarem, eu nem penso. Volto na hora”. A frase é do ex-atacante do Tigre, artilheiro da Série B do Campeonato Brasileiro do ano passado, figura importantíssima para o acesso do time à elite do futebol brasileiro. Após a reportagem do Jornal da Manhã fazer o primeiro contato solicitando uma entrevista, via rede social, já na madrugada de ontem, o telefone da redação do Jornal da Manhã tocou. Era José Carlos Ferreira Filho, o Zé Carlos. Ele garante sentir muitas saudades da Capital do Carvão. Morando na China desde fevereiro deste ano e defendendo a camisa do Changchun Yatai, não esconde o desejo de voltar a representar o Tigre. “A adaptação está muito difícil, ainda não consegui me adequar ao estilo de vida daqui. É tudo ao contrário do Brasil, a comida é ruim, o horário é estranho, até o futebol é diferente”, coloca o atacante.

A voz tranquila e embargada ao telefone dá a impressão de que no outro lado da linha está um jogador que realmente torce pelo clube do qual fazia parte até pouco tempo atrás. “Estou acompanhando tudo o que acontece no Criciúma, assisto aos jogos e vi todas as contratações e demissões. Estão montando um time bom, trouxeram um treinador experiente, o pensamento do clube está diferente daquele de quando eu saí”, expõe. “Em Criciúma eu só tive alegria e felicidade. Foi tudo de bom. Tenho muita vontade de voltar a defender a camisa do tricolor”, informa o atacante.

De todas as coisas que deixou para trás, Zé diz que a que mais lhe faz falta é o carinho da torcida e a certeza de ser bem recebido aonde quer que vá. Segundo ele, na China tudo é muito diferente. “Não consigo me adaptar a essa vida. Além disso, o futebol não é a mesma coisa. O meu time não está bem no campeonato chinês. Em quatro jogos, só fez um ponto. Empatou um e perdeu os outros três, não saindo do zero. Na última partida eu comecei no banco e acabei entrando no meio do jogo. Mas não é fácil”, comenta.

Aos torcedores do Tigre, Zé Carlos faz questão de deixar um recado. “Que as pessoas continuem acreditando, porque eu acredito que o clube vai permanecer na Série A este ano e fazer um ótimo campeonato. Que fiquem junto dos jogadores, como ficaram no ano passado, porque o carinho recebido foi muito importante para que conquistássemos o acesso. Com certeza não só eu, mas todos os outros jogadores sentiram a empolgação da torcida e conseguiram essa conquista para o clube”, garante.



segunda-feira, 8 de abril de 2013

Vídeo: elenco do Camboriú empurra ônibus após rebaixamento do time

Após o jogo que resultou no rebaixamento do Camboriú, na derrota por 2 a 1 para a Chapecoense, o elenco do clube do litoral passou por uma situação complicada, mas que foi enfrentada com bom humor. Com problemas na embreagem, o ônibus que levaria a delegação de volta para casa teve que ser empurrado por todo mundo, uma hora após o início da viagem. O time seguiu até as proximidades de Rio do Sul, onde fez a troca do veículo.

As imagens são do Lucas Coppi, assessor de imprensa do Cambura.

Mais uma que vai pro livro de histórias do Catarinense 2013:


Clássicos embolaram o returno. Nada está definido

O domingo teve jogos que colocaram o Criciúma na liderança do returno, o Avaí na briga trazendo junto o Atlético de Ibirama, e um Figueirense que encaminha sua entrada nas semifinais sem troféu, mas via índice técnico. Mas a distância é tão pequena que tudo pode mudar no próximo final de semana, principalmente nos jogos do Figueira contra o Tigre e do Avaí em Blumenau contra o Metrô. Com a qualidade técnica do Estadual nivelada por baixo, quatro times brigam pelo título do segundo turno, enquanto três estão buscando a última vaga do índice.

Fernando Ribeiro / Criciúma EC
Em Criciúma, no jogo que eu trabalhei, o Tigre venceu de forma justíssima o Joinville. É fácil de contar a história do jogo. Vadão montou o time para marcar o gol. Conseguiu, em pênalti marcado por Marcel. Depois, tratou de reforçar a marcação e fazer o lento meio-campo do JEC trabalhar muito. Como era esperado, Marcelo Costa, Artur Maia e depois Jailton não deram conta do recado. Foi fácil para o Criciúma aumentar a vantagem e garantir uma vitória que elimina o Joinville (ainda dá pro time de Arturzinho, mas é tanta conta que muita coisa tem que acontecer. É fim de linha). O Tigre lidera o returno e vai ao Scarpelli no domingo até com chance de garantir o troféu, ainda que uma série de resultados tenha que acontecer.

No clássico da capital, o Avaí venceu com um gol de Eduardo Costa no final (não vi o jogo ainda, então me abstenho de falar alguma coisa a mais. Depois do VT, até posso dar algum pitaco). Resultado importante para o Leão, mas que vai por água abaixo se o time perder para o Metropolitano em Blumenau, no próximo final de semana. O retrospecto é totalmente favorável ao time azul jogando no Sesi, em jogos com o mesmo caráter de decisão. Junto com a partida do Scarpelli, são os principais pontos da próxima rodada.

No mais, a Chapecoense venceu e garantiu a primeira colocação geral por mais uma rodada, e acabou rebaixando o Camboriú, que viu o Juventus abrir uma diferença inalcancável após a vitória sobre o Guarani, que caminha para ser o segundo time a voltar para a Divisão Especial. Eu mesmo cheguei aqui a bancar o rebaixamento do time de Jaraguá, que deu aula de incompetência na temporada. Mas como o Bugre de Palhoça também não conseguiu se recuperar, o time que ameaçou desistir e que deve salário pra mais de uma dezena de jogadores e para o ex-treinador, vai ficar na primeira divisão.