sábado, 22 de junho de 2013

Seleção ganha força jogo a jogo. Temos um time

Rafael Ribeiro / CBF
A Seleção jogou em Salvador melhor que em Fortaleza, que já tinha sido melhor que em Brasília.

Temos um time do Brasil, que ainda está longe do alto nível de excelência de uma Copa do Mundo, mas sem dúvida é uma evolução considerável.

O jogo da Fonte Nova teve erros de arbitragem e gols polêmicos. Mas não dá pra apagar a atuação do Brasil diante de um time cascudo, que mesmo desfalcado de dois titulares (Pirlo e De Rossi), ainda é a Itália tetracampeã mundial, que não tirou o pé em momento algum e complicou bastante.

Felipão foi premiado hoje por bater o pé e manter Fred como titular. Hoje, o camisa 9 desencantou. Ainda que o time tenha tomado dois gols, prevaleceu a maior eficiência ofensiva, que há tempos não aparecia por essas bandas.

A seleção vai ganhando confiança jogo a jogo. Neymar apareceu mais uma vez com uma boa atuação e um belo gol em lance decisivo. O time depende demais dele? Pode ser. Felipão o tirou de campo no segundo tempo colocando Bernard, que participou do lance do quarto gol, e quem ficou no campo teve que se virar para mostrar que não é "Neymardependente".

Ainda que o jogo não tenha sido perfeito (Oscar, por exemplo, teve atuação discreta e a defesa pode melhorar questões de posicionamento) a impressão de quase todos com essa seleção é altamente positiva. Os que mais questionavam (e eu me incluo nesse grupo) tinham dúvidas de que o time pudesse dar uma esperança real para a Copa das Confederações e para o ano que vem. Agora dá pra acreditar, com três atuações convincentes, uma melhor que a outra.

Muita gente pensa no confronto com a Espanha. Antes, tem um Uruguai pela frente, com toda a sua tradição e um time de forte conjunto. Mas o Brasil vai para Belo Horizonte como favorito, para tentar enfrentar a campeã mundial, onde será azarão diante do papa-títulos dos últimos anos. Mas isso já é outra história.

E, de certa forma, as manifestações dos últimos dias ajudaram a seleção. Os protestos tiraram o foco das atenções nos jogadores, que conseguiram trabalhar com mais tranquilidade. Vamos acompanhar com bastante carinho essa evolução do time brasileiro.


sexta-feira, 21 de junho de 2013

Segundona: clubes tem dificuldades com parceiros. Brusque lidera

Faltando três rodadas para o final do primeiro turno da Divisão Especial, a segundona de Santa Catarina, o Brusque lidera com dois pontos de vantagem sobre o Porto, seu principal concorrente, que empatou com o Caçador em 2 a 2 nesta quinta. Tudo indica que o Bruscão de Rogério Perrô, que tem dois jogos em casa, encaminhe a conquista da primeira vaga no quadrangular final com um ponto de bonificação.

Mas a segundona também mostra o seu outro lado, de clubes que esbarram em dificuldades, não se entendem com seus parceiros ou simplesmente levaram rasteiras, ainda faltando todo um returno pela frente.

Em Itajaí, Marcílio Dias e LA Sports não falam a mesma língua. Publicamente, em matéria ao jornal Diarinho, tanto o presidente quanto o diretor de futebol se mostraram decepcionados com a campanha do time, que ainda não venceu na Série D e marcou apenas 11 pontos em seis partidas na Divisão Especial de SC. A situação caminha para um rompimento de parceria, segundo os dirigentes. O presidente quer demitir o técnico Paulo Turra, mas a LA segura. (Atualização das 10:41: O clube acaba de demitir o técnico)  Nessa indefinição, o time já perdeu a primeira chance de se garantir nas finais da segundona. Com um time-base do Operário-PR, o Marinheiro ainda não embalou, e a diretoria parece não ter muita paciência. Dinheiro o clube tem, mas o time não encaixou.

O Imbituba tem uma parceira curiosa, com uma empresa chamada Swiss Group Companies, que segundo o seu site, trabalha com formas limpas de energia, como biomassa. Sua presidente, Edda Silvestro, já esteve envolvida em vários problemas em transferências de jogadores para a Itália, como relata matéria da revista "Placar" de 1989. Ela fechou parceria com o presidente do Imbituba, Roberto Rodrigues, e colocou um gestor para cuidar do clube. Até agora a campanha é ruim, com apenas seis pontos na Divisão Especial, e o time não fez o pagamento da arbitragem em nenhum dos três jogos como mandante no campeonato, conforme informam as súmulas. Vai ser julgado no TJD e pode ser suspenso.

E a última história aconteceu com o Canoinhas, lanterna do campeonato sem conquistar um ponto sequer. O clube, que comprou a vaga do Biguaçu e migrou para o planalto norte, já está no seu quarto treinador apenas na sexta rodada, sem conseguir os resultados. Nesta quinta, Paulo Henrique Poltronieri, um dos dirigentes do CAC, atirou pra cima do coreano Hur Yunny, que seria seu parceiro no clube. Segundo PH em seu perfil em uma rede social, "Os coreanos vieram para Canoinhas, exigiram varias coisas e prometeram custear esses gastos. Mas isso nao ocorreu.. Ao chegarmos para entregar o café da manhã, onde os mesmos tinham combinado com o presidente do clube para o acerto de contas pendentes, fomos surpreendidos, pois tinham ido embora, sorrateiramente... E acreditem: levaram até as roupas de cama que compramos: cobertores, lençois, travesseiros, até mesmo alimentação... Resumindo ficamos com uma divida de 5 mil reais... E além das contas nossa credibilidade na cidade foi manchada, abusaram de nossa boa vontade e confiança".

Mais algumas histórias do futebol de Santa Catarina.


quarta-feira, 19 de junho de 2013

XV de Indaial explica cheque de APP que pagou arbitragem

O Blog recebeu email do Sr. Jorge Jacobowski, presidente do XV de Outubro de Indaial, que explicou a nota aqui publicada semana passada, em que o árbitro Raimundo Nascimento colocou em súmula que o pagamento do trio de arbitragem do jogo contra o Marcílio Dias tinha sido pago com um cheque da APP de uma escola pública de Indaial.

A mensagem é a que segue:

Da Presidência da Sociedade Desportiva XV de Outubro

Para o Sr. Rodrigo Santos

Referente cheque da APP da Escola, que foi usado para pagamento de Borderô de arbitragem no Jogo entre XV de Outubro x Marcilio Dias no dia 08 de Junho de 2013.

Comunicamos ao Sr. que a APP esta isenta de qualquer participação junto ao XV de Outubro, pois somente este cheque foi usada pagamento do Borderô, porque a APP pagou seus impostos a sua contabilidade, a qual fez seus pagamento em espécie, pois o tinha prazo para tanto, e o cheque chegou após o horário do banco ao escritório, sendo justificado que o cheque foi entregue ao funcionário do escritório por pagamento de seus serviços, o qual trocou o mesmo na Sociedade, pois o mesmo faz parte da direção do Clube, por isso o cheque foi usado para pagamento de borderô.
OK

Pedimos por gentileza uma retratação junto a APP, pois a mesma esta isenta de qualquer envolvimento junto ao Clube.

Muito Obrigado.


Jorge.

terça-feira, 18 de junho de 2013

Time dos Padres vai desafiar o JEC


Este é o time dos Padres da Diocese de Joinville, que vai desafiar o JEC neste domingo, em jogo beneficente na Arena, que terá a renda destinada à obra social realizada na cidade. Tem até um padre coreano que vai reforçar o time. Uma iniciativa diferente, sem dúvida.


segunda-feira, 17 de junho de 2013

Em busca da "Espanhexcelência"

Desde a Copa das Confederações de 2009, a seleção da Espanha só perdeu três jogos: para os Estados Unidos, Suiça na Copa de 2010 e Argentina, em um jogo amistoso. Uma supremacia de quem coleciona títulos com um time ágil, solidário e com uma geração de atletas espetacular.

O time reserva espanhol é tão bom quanto o titular.

Trazendo para a seleção brasileira e traçando o que queremos ver no time para 2014, e colocando o melhor time do mundo como referência, vamos imaginar que o time de Felipão tenha que atingir uns 90% da Espanha para ser um time confiável. Falta muito? Ô se falta.

Aí você ve o time vermelho, que em alguns momentos é um Barcelona, com seus altos números de posse de bola e um ataque muito organizado, com um Iniesta soberano, que distribui a bola com uma maestria singular. Com a ajuda de bons volantes e rápidos atacantes, o time de Vicente Del Bosque dá poucas chances ao adversário que provavelmente terá uns 30% de posse de bola no jogo para não perder as poucas chances que vierem a aparecer.

O Brasil não vai jogar como a Espanha, precisa ser tão eficiente quanto. E isso significa uma defesa consistente, um meio-campo rápido e um ataque que faça gols.

Aí trazemos para a nossa realidade. Neymar, que fez um bom jogo contra o Japão, precisa encontrar a combinação entre coletivo e talento individual. Se encontrar, vai dar banho em Iniesta. Nesse caso, a temporada em Barcelona deve fazer bem, visando 2014.

Na zaga, Thiago Silva é um monstro. Falta encontrar em David Luiz, Daniel Alves e Marcelo, com Luiz Gustavo mais a frente, a linha defensiva de qualidade. Se Felipão manter essa linha até o ano que vem, quem sabe encontrem a "batida perfeita". Mas é uma aposta. Pode dar certo como muito errado em um torneio de alta exigência.

Na frente tem Oscar, que terá uma temporada inteira para crescer, e Fred, um 9 goleador que precisa manter a boa fase visando 2014.

É o caminho das pedras para um bom time. Ainda que o caminho do "time em obras", como diz Felipão, tenha passado pela vitória contra o combalido Japão, tem times mais fortes pela frente que vão dar a exata noção do andamento dos trabalhos. Esse time brasileiro ainda não é seguro nem confiável. Só o tempo, com uma boa continuidade e um pouco de sorte pode fazer o time amarelo chegar perto do que a "Roja" é hoje.

É necessário ter na cabeça que, hoje, e sem nacionalismo, o Brasil é uma seleção comum. Tem um ano pra mudar. Como diria um candidato derrotado no ano passado, dá pra fazer. Mas não é fácil.

domingo, 16 de junho de 2013

Segundona: Brusque, Concórdia, Porto e Tubarão disputam título do turno

Passadas cinco rodadas do turno da Divisão Especial, três times vão brigar pela primeira vaga no quadrangular final com um ponto de bonificação. O Brusque, que empatou com o Marcílio Dias em 2 a 2, vai brigar com o Atlético Tubarão, Concórdia e o surpreendente Porto, que manda seus jogos no Paraná, pelo título do turno.

Num jogo complicado, com muitos erros de arbitragem de Leandro Messina Perrone, o Brusque foi muito mais time que o Marcílio Dias, que não mostra a qualidade que se esperava de um time vitaminado pela LA Sports. O time de Rogério Perrô controlou o jogo, chegou a perder a cabeça com os sucessivos erros de arbitragem e no final acabou ficando feliz com o empate, que não foi um mau negócio. Tirou da jogada o principal concorrente e terá a tabela teoricamente mais tranquila até o final.

O Marcílio tem estrutura e capacidade pra conseguir chegar no quadrangular final com tranquilidade, até porque nessa segundona o nível técnico é muito baixo, e o regulamento privilegia quem tem mais fôlego na reta final.

O Brusque tem o melhor time do campeonato. Se aguentar assim até o final e nada de surpreendente acontecer, uma vaga tem dono e a outra está bem encaminhada.