sábado, 3 de agosto de 2013

Polêmica na Arena, alívio azul e celebração verde

Carlos Junior / Notícias do Dia
Os três jogos dos catarinenses no sábado da Série B tiveram gostos diferentes. Da alegria do Joinville com a revolta do Figueira, o "ufa" do Avaí e a sensacional virada da Chapecoense no Recife.

Vou começar com o jogo que vi. Uma pelada no primeiro tempo e 45 minutos finais de fortes emoções. Vamos aos pontos: já bati aqui nesse Blog e bato mais uma vez: a CBF corre risco desnecessário ao escalar árbitros de Santa Catarina em jogos entre catarinenses. Eles já se conhecem e se estressam juntos no Estadual, pra que repetir?

Sobre os lances dos pênaltis: o primeiro, que resultou no gol de Marcelo Costa, tenho sérias dúvidas. O único ângulo que consegui ver na internet me dá a impressão que não foi. O segundo foi fora da área, mas acabou não convertido por Ronaldo.

Mas vamos ser justos: o Joinville jogou mais bola no segundo tempo. Com a entrada de Wellington Bruno, a dupla com Marcelo Costa encaixou e o time produziu muito mais que o adversário. Adilson Batista, com seu rodízio, poderia ter mais qualidade em campo, mas com o que estava jogando, era difícil pensar em algo diferente, com Ricardo Bueno desaparecido e Tchô sendo o único jogador que fazia algo decente lá na frente. A defesa se preocupou em marcar Lima, mas não deu jeito de segurar Eduardo e Rafinha. Nos erros alvinegros, o JEC construiu a vitória.

O JEC parece encontrar um caminho. Só tem que ver se Wellington Bruno está em boa condição física, coisa que Liguera não está. Ele não aguenta 90 minutos. Terça, contra o Paraná, é uma boa prova. Já o Figueirense vai pegar o Icasa desfalcado, mas com grandes chances de vencer. Esse tal de rodízio e CK enche a paciência. Mas se Adilson Batista quer insistir nisso, boa sorte pra ele.

E se tem uma coisa que vou querer ver são os minutos finais de Sport x Chapecoense. Quem diria, vencer o segundo time mais rico da Série B, um dos favoritos ao acesso, lá no Recife. Com certeza, um jogo que vai para a história do Verdão, que contabiliza mais três pontos fora de casa, importantíssimos na luta pelo acesso. O time é uma realidade, e é impossível saber qual o limite do grupo de Gilmar Dal Pozzo, mostrando uma maturidade impressionante.

Finalizando, o Avaí saiu da zona de rebaixamento com a vitória sobre o Paysandu. Ainda que falte muito para o time se credenciar ao acesso, sem dúvida os três pontos servem para tirar um pouco da incômoda pressão, depois dos últimos difíceis dias. Um pouco de fôlego para o time trabalhar para o jogo contra o Bragantino, que tem os mesmos 15 pontos do Leão.

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Brusque: sem pânico, mas muito cuidado

Voltando a escrever sobre o Brusque aqui no Blog. Público local reclamou, e como não tenho acompanhado todos os jogos do time, tive que esperar um pouco pra falar algo do Bruscão.

O Brusque foi derrotado no TJD e acabou perdendo o título do primeiro turno da Divisão Especial. Se foi justo ou não, isso não vem ao caso. Até porque a campanha do time na segundona é tão boa que o time tem uma gordura acumulada para se classificar pelo índice técnico até com certa antecedência. A conta é simples: caso o Bruscão leve o título do returno, terá um ponto de bonificação no quadrangular. Caso o Marcílio leve também essa fase, o time de Rogério Perrô entra nas finais como melhor índice técnico, fazendo o último jogo em casa. Considerando que dois times sobem, não há motivo para pânico tampouco para desespero. Basta lembrar que em 1998, no Campeonato Estadual com regulamento idêntico, o Avaí foi para o quadrangular com dois pontos extras e ficou em último, perdendo inclusive para o Brusque na Ressacada. O que interessa é estar na fase final, e lá o time estará.

Agora, se não há motivo para pânico, é necessário ter cuidado. O time teve uma arrancada espetacular que lhe garantiu uma boa sobra, mas não evoluiu de um mês pra cá e se complicou sozinho, com derrotas para Caçador e Imbituba e um empate sem gols com o Concórdia, em uma partida que o time teve apenas um lance de real perigo e acabou com o atacante Eydison expulso numa irresponsabilidade. O Bruscão ainda é o melhor time da Divisão Especial, mas precisa fazer esse favoritismo se concretizar dentro de campo.

O prazo para contratações se encerra ao final da fase de classificação, e são necessários reforços para evitar acidentes de percurso nos seis jogos que vão decidir o acesso. Até agora o time não encontrou um camisa 10 de qualidade. Serginho atuou improvisado, e Tiago Ferreira não conseguiu mostrar atuações convincentes. Lá no ataque, muito se esperava de Roberto Jacaré, que não convenceu. Eydison até tem qualidade, mas seu temperamento forte já causou duas expulsões no campeonato. Pode tomar até uma suspensão maior.


Não é complicado para voltar pra primeira divisão. Mas o clube tem que minimizar a possibilidade de um desastre.


quarta-feira, 31 de julho de 2013

A rodada: só o Avaí venceu. Chape perde a primeira

Uma rodada cheia de terça que ajudou a embolar um pouco a classificação. Dos catarinenses, só o Avaí venceu.

Ganhou do Atlético-GO, 1 a 0, sofrido, chorado, mas são três pontos que vão dar um pouquinho de tranquilidade para Hemerson Maria tocar seu trabalho, palavra que ele vem usando com tanta frequência. O time deixa a zona de rebaixamento e terá no sábado pela frente o Paysandu, que tem os mesmos 12 pontos e vem de vitória contra o Figueirense, em Belém

Figueira que não se deu bem na Curuzu e deu uma freada na sua subida. Ainda está no G4, agora empatado com o Paraná. Terá pela frente uma incógnita chamada Joinville sábado, na Arena, já olhando o clássico que vai acontecer na semana que vem.

O JEC teve uma derrota dolorida para o Boa. Na estreia de Ricardo Drubscky, o time abriu o placar no primeiro minuto, mas logo depois tomou o empate. Aos 16, Lima fez 2 a 1 mas o Boa empatou no minuto seguinte. Empolgado, mas errando muitos passes e bolas na defesa, o tricolor jogou tudo fora na expulsão de Ivan, que botou a mão na bola fora da área em um lance de ataque. E em mais uma falha defensiva, o time mineiro fez o terceiro e calou os mais de sete mil torcedores na Arena. Nada está perdido, mas Drubscky terá muito trabalho para recuperar esse time que parece cada vez mais perdido. Vem aí uma difícil sequência, contra Figueirense, Paraná, Paysandu e Palmeiras, onde o time precisa mostrar uma reação, sob pena de perder muito espaço.

E em 15 minutos o Ceará derrotou a Chapecoense em Fortaleza. Primeira derrota verde, que mais hora, menos hora iria acontecer. Gilmar Dal Pozzo foi preciso na coletiva, dizendo que o resultado foi justo. Bola pra frente que no final de semana tem o Sport, que tomou 5 do América-MG. Com metade dos times emparelhados na qualidade, detalhes vão fazer a diferença.