sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Uma beleza a vitória avaiana, uma vergonha a confusão em Belém

O Avaí só precisou do segundo tempo para vencer o quase rebaixado Paysandu na Curuzu, em Belém. Barbada? Longe disso. Foi apenas a terceira derrota do Papão em casa. Os outros catarinenses que lá estiveram, perderam. O time de Hémerson Maria fez diferente.

Faltou futebol no primeiro tempo, mas no segundo os gols apareceram, usando daquele conceito do "jogo de Série B": campo ruim, adversário pressionado e panelinha de pressão no estádio. Dois gols, um aproveitando um erro da defesa e outro do talento de Cléber Santana, que colocam o time no G4 do campeonato com um jogo a menos. Pontos importantíssimos esses no Norte. Se manter o embalo, com Cléber resolvendo jogar bola como nos melhores tempos da Ressacada, pode colocar a cerveja pra gelar.

Mas ainda falta um longo caminho com outros passos tão importantes quanto esse no Pará para serem dados.

Pena que o jogo terminou antes do tempo, fruto de mais uma vergonha do futebol brasileiro, que sediará uma Copa em menos de um ano. Belém tem um belo estádio, moderno e que cabe bastante gente, o Mangueirão. Mesmo com pedido da Polícia, o Paysandu mata no peito e joga na Curuzu, com uma estrutura deficiente e perigosa. A bomba relógio estava pra estourar, e resolveu explodir com a vitória do Avaí que dá um grande empurrão no Papão de volta à Série C. Voou laranja, pedaço de estádio e até bomba.

O Paysandu vai ser punido exemplarmente, mas mesmo assim, são imagens que poderiam ser evitadas. Se existe um estádio em condições na cidade, porque permitir que o clube mande o jogo em um local caindo aos pedaços? Como as bombas entraram em campo? Aí, é tragédia anunciada.

Credenciamento de imprensa aberto para o JASC 2013

Falta pouco mais de um mês para iniciar os Jogos Abertos de Santa Catarina, que vão acontecer de 20 a 30 de novembro, em Blumenau.

E atenção pessoal da imprensa de SC: está aberto o credenciamento para os Jogos. Esse ano, a Fesporte firmou parceria com a Associação de Cronistas Esportivos de Santa Catarina (ACESC) para o credenciamento e atendimento da crônica esportiva .

Os profissionais da imprensa que desejam credenciar-se para a cobertura jornalística dos JASC, em Blumenau, devem solicitar seus pedidos através de formulário próprio em acesc.org/credenciamentojasc .

A solicitação do profissional de imprensa deve ser formulada e enviada até o dia 8 de novembro, às 17h. Nela, constam dados do solicitante e informações sobre o período e o tipo de trabalho que pretende desenvolver durante a competição.

Neste ano, a imprensa credenciada de outras regiões do Estado que for a Blumenau para a cobertura dos 53º JASC terá a hospedagem e a alimentação oferecidos pela Fesporte. Além disso, os profissionais de todas as mídias terão à disposição toda a estrutura de trabalho no Centro de Imprensa que será montado no coração dos Jogos, o Parque Vila Germânica.

Lá estaremos.


quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Video: Quero-quero ataca bandeirinha em Itajaí

O vídeo abaixo é do jogo NEC 2 x 1 Inter de Lages, acontecido ontem, em Itajaí, no Estádio do Marcílio Dias. Um quero-quero não gostou de ser importunado e resolveu partir pra cima do assistente Maykon Vieira, que teve que se virar pra não ser atacado pelo bicho.

Assista abaixo o vídeo da Imagem TV, de Lages. O narrador, Antonio Armindo, pai do amigo Rafael Araldi da Regional FM, não segurou o riso:

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Recuperação e desespero, sentimentos de Figueira x JEC, no sábado

A rodada de terça teve, além do empate da Chapecoense com o Ceará, os sentimentos opostos de dois times que vão se enfrentar sábado, no Scarpelli. De um lado, o Figueirense, que bateu o Paysandu no final, e ainda se agarra na esperança de brigar na reta final, contra um Joinville arrebentado nas partes psicológica e técnica.

O alvinegro tem a oportunidade de dar o último empurrão do JEC para o abismo. O que eu vi em Varginha foi qualquer coisa, menos um time de futebol. Sem vibração, pouca técnica, organização tática inexistente, o time só não tomou mais gols porque Ivan fez pelo menos quatro defesas gigantes e o árbitro do Amapá deixou de dar um pênalti claríssimo de Augusto Recife, que poderia ser expulso. O Boa, que não tem nada de mais, abusou de bola aérea para chegar na área. No final do jogo, Ronaldo botou uma bola na trave quase dando uma vitória injusta ao tricolor. Mas Naldo acabou fazendo um gol contra que puniu tudo de errado que o Joinville fez nos últimos tempos.

Sérgio Ramirez não encontra mais desculpa. Chegou a criticar a arbitragem e não disse o porque do time não render. Eu e muitos torcedores sabemos o motivo: grupo rachado, com jogadores que não enxergam um ao outro que no fim, entram em campo em clima de velório e pouco fazem para sequer tentar uma reação. É fim de ano para o JEC, e que aconteça uma grande mudança dentro e fora de campo para 2014.

E o Figueira, que não está em uma situação confortável, tem nos dois próximos jogos, contra JEC e Chapecoense, a chance de responder à torcida se vai entrar na briga ou vai programar o próximo ano. Com 45 pontos, o time chegaria muito próximo do G4 com duas vitórias, encaminhando um baita jogo de seis pontos contra o Avaí. O time mostra muitos problemas, tendo dificuldades para vencer o fraco Paysandu. Mas ao contrário do seu rival de sábado, há algum tipo de esperança que o torcedor pode se agarrar.

Já o pessoal de Joinville está fulo da vida com tanta coisa errada. Com Edu suspenso e Kim machucado, Lima poderia voltar ao time titular. Mas quer saber? Acho que tão cedo ele não volta a vestir a camisa 9.


segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Djalminha vai jogar futebol amador em Blumenau

Djalminha veste a camisa do Atlético Itoupava
Lembra do Djalminha, talentoso meia ex-Flamengo e Palmeiras? Aos 42 anos, foi parar no futebol amador de Blumenau. Ele foi contratado pelo time do Atlético Itoupava para jogar a final do campeonato local contra o Salto do Norte, que venceu o jogo de ida por 2 a 1.

A decisão vai acontecer no próximo domingo, no Estádio Guilherme Jensen, à beira da rodovia que liga Blumenau à Massaranduba.

domingo, 13 de outubro de 2013

Tigre luta muito e ganha fôlego na briga contra o rebaixamento

Fernando Ribeiro / Criciúma EC
Sobrou disposição para o Criciúma vencer o Vasco. Numa situação em que cada jogo nesta reta final é uma decisão e contra um adversário direto, o Tigre cumpriu o dever com louvor. Jogo tenso, com jogadas polêmicas, lances complicados. Mas deu tudo certo.

Com sete pontos conquistados nos últimos três jogos, o time de Argel sobe de rendimento e já conseguiu um feito importante: recuperar a distância que tinha pra turma de fora da zona de rebaixamento e se meter no meio do bolo que está separado por uma pequena diferença.

O jogo não teve toda aquela qualidade. Mas chamou a atenção a entrega do Tigre, que lutou por cada bola, correu demais e criou pra cima do Vasco, que tremeu no Heriberto Hulse. Nervoso, o time vascaíno só fez dois gols com o erro coletivo de Matheus Ferraz e Suéliton e um pênalti no segundo tempo. Argel conseguiu fazer o time ficar mais compacto, subindo e descendo em bloco com muita disposição. Ele conseguiu tirar o máximo do time para que o esquema funcionasse.

Como o Criciúma tem que encarar uma decisão de cada vez, quarta-feira tem outra batalha, contra a Portuguesa. O ritmo não pode diminuir e a fuga do rebaixamento passa diretamente pela disposição e entrega dos jogadores, empurrados pela torcida.

Não tem que jogar bonito, tem que ser eficiente.