quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Avaí é o melhor catarinense no ranking da Timemania em 2013


A Caixa Econômica Federal divulgou nesta semana o ranking de 2013 das apostas da Timemania. Dos times catarinenses, o Avaí lidera, com mais de um milhão e 400 mil apostas, ficando na 22a. colocação geral. 

Comparando com o ano passado, o Leão e o Joinville cairam uma posição na classificação, enquanto o Figueirense caiu três e o Criciúma permaneceu na mesma 57a. colocação, lá embaixo.

A classificação de 2013 ficou assim:


ColocaçãoTimeUFNº de apostasPercentual
FLAMENGORJ6.638.2295,40%
CORINTHIANSSP5.801.4174,72%
SAO PAULOSP4.607.5783,75%
SANTOSSP4.185.8993,41%
GREMIORS3.943.6223,21%
PALMEIRASSP3.893.3413,17%
VASCO DA GAMARJ3.455.1112,81%
INTERNACIONALRS3.432.5572,79%
BOTAFOGORJ3.332.6682,71%
10ºATLETICOMG3.060.6142,49%
11ºFLUMINENSERJ2.996.5852,44%
12ºCRUZEIROMG2.901.5592,36%
13ºBAHIABA2.475.8722,01%
14ºFORTALEZACE2.250.2851,83%
15ºGOIASGO2.012.3141,64%
16ºVITORIABA1.785.8181,45%
17ºABCRN1.703.3281,39%
18ºCEARACE1.616.2021,31%
19ºATLETICOPR1.604.3821,31%
20ºCORITIBAPR1.582.2331,29%
21ºSANTA CRUZPE1.546.5791,26%
22ºAVAISC1.475.5201,20%





30ºJOINVILLESC1.215.2840,99%





50ºFIGUEIRENSESC999.6040,81%





57ºCRICIUMASC915.1520,74%






quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Com mercado restrito, Emerson Nunes ganha chance no Avaí

Emerson Nunes e Hemerson Maria
(Daniel Queiroz/ND)
Depois de um dia de muito diz-que-diz, chute pra todo o lado e nenhum nome confirmado, a informação da noite de que Emerson Nunes foi efetivado como técnico do Avaí vem ao encontro do que mais ou menos se desenhava: mercado inflacionado, dificuldade de se encontrar um nome ideal com um salário acessível e um balão tomado de quem havia sido escolhido.

É a chamada solução caseira, assim como Hemerson Maria um dia já foi, de um bom zagueiro que foi para fora do campo por uma dessas coisas da vida: um problema cardíaco descoberto em 2011.

Ele voltou ao Avaí na época de Mauro Ovelha, e depois se juntou à Hemerson Maria, levando o título estadual. Conhece os caminhos lá dentro, já mostrou a vontade de um dia assumir o comando. Terá essa chance, em um momento muito ingrato.

Emerson poderá ser vítima do cruel regulamento do Estadual, em que nove rodadas decidem um futuro. Ou não. Vai do talento dele, com um pouco de sorte. É evidente que ele só estará ali na beira do gramado por falta de opções disponíveis, mas a oportunidade apareceu, como um goleiro que espera um bom tempo para o titular dar uma brecha.

Boa sorte a Emerson Nunes. Sua chance chegou.


domingo, 15 de dezembro de 2013

Os 10 micos do futebol catarinense em 2013

No fim do Estadual, eu fiz uma lista dos dez maiores micos do Campeonato Catarinense em 2013. Mas como depois do Chevetão aconteceu muito mais coisa bizarra, é hora de passar o ano em revista e ver quais foram os momentos tragicômicos do ano. Tem cada uma...

Vamos à lista!

Acompanhe o "Top 10 negativo" do Futebol Catarinense em 2013:

10 - Não tem laudo, agora tem laudo: Semana que antecedia a estreia do Estadual. Nenhum clube entregou os laudos de liberação dos estádios a tempo, e todos acabaram recorrendo ao TJD. A Federação chegou a marcar os jogos das duas primeiras rodadas com portões fechados, mas um canetaço do tribunal liberou tudo (e os clubes foram severamente multados depois disso). Era até engraçado ver o corre-corre de informações nas redes sociais ao sair o anúncio que esse ou aquele estádio estava liberado. No final das contas, o acordo da FCF com o Ministério Público não foi obedecido. Valeu tudo.

9 - Maga, a vergonha catarinense: foram 76 gols tomados em 16 jogos do Campeonato Catarinense da terceira divisão, uma média de quase cinco tomados por jogo. Esse é o Maga, o pior time do planeta, que colocou mais uma temporada inesquecível em sua história no ano de 2013. E nesse ano, com um extra: no dia 12 de setembro, colocou mais uma marca como o time que sofreu a maior goleada da história do campeonato estadual, tomando 14 a 0 do Pinheiros de Garopaba, em Tubarão. O mais engraçado é que teve jornalista tentando fazer matéria sobre o caso, mas acabou recebendo do clube uma singela resposta: "não queremos que façam reportagem com a gente". Pessoal exigente...

8 - Vou de Táxi: Jogo Chapecoense x Joinville, em Xanxerê, pela abertura do returno do Estadual. O ônibus do time de Chapecó simplesmente não apareceu para levar os jogadores para o Estádio Josué Annoni. Como a cidade não tinha outro ônibus disponível, o jeito foi levar os jogadores de táxi e carros particulares. Os atletas foram chegando em prestação. Deve ser por isso que o time fez um primeiro tempo tão ruim. No segundo, parece que eles acordaram e viraram a partida sobre o JEC.

7 - "Não venha no estádio". Sentindo-se prejudicado pela arbitragem, o Camboriú inovou: publicou uma carta no seu site pedindo deliberadamente que o seu torcedor não fosse ao estádio, para não fazer papel de palhaço. Pelo jeito, teve gente que desobedeceu. E o time acabou rebaixado.

6 - Touchdown na Copinha: Juventus e Brusque se enfrentariam pela Copa SC no Estádio João Marcatto em Jaraguá do Sul. Qual a surpresa de todos quando, ao chegar no local, descobriu-se que um campo de futebol americano estava marcado no lugar do futebol. A solução foi hilária e varzeana: enquanto um derrubava areia aos punhados em cima da linha, outro vinha atrás pra espalhar. Não enganou ninguém, mas o árbitro Bráulio Machado resolveu dar condição de jogo. Pra piorar, o time da casa nem apareceu pra ouvir o hino nacional.

5 - Guarani x Avaí, cadê o jogo?: Todo mundo pronto pra começar o jogo no Estádio Renato Silveira numa tarde de domingo. Eis que, naquela manhã, o Ministério Público resolve entrar com pedido para que o jogo não aconteça. A cobertura da partida passou do Estádio para a frente do Fórum de Palhoça. Com TV ao vivo e os times no gramado, a Polícia avisou que o jogo não iria acontecer. Os repórteres de campo se transferiram para o Fórum de Palhoça, onde a comédia pastelão acontecia. Ouvir o jogo foi muito cômico. Ele acabou sendo realizado em outro dia, a noite.

4 - O dramalhão do Juventus: time que só não caiu para a segundona por conta da boa campanha no primeiro turno, o clube de Jaraguá do Sul foi alvo das atenções depois do presidente (agora ex, entregou o clube para um vereador depois) anunciar duas vezes que o time estaria desistindo. Tudo começou num sábado de manhã, quando um dirigente anunciou a retirada pelas redes sociais. O ex-presidente Jerri Luft chegou a ir a Joinville para pedir, ao vivo no Clube da Bola, apoio aos empresários. Ele aguentou mais alguns dias, mas acabou renunciando em uma conturbada coletiva, onde chegou a dizer que fazia "futebol em Jaraguá do Sul para um bando de m.....". Um novo presidente assumiu, veio a parceria com um clube da terceira divisão e o ano que vem está garantido. Mas que essa novelinha foi chata, ah foi...

3- Segundona na piscina: Caçador e Brusque jogaram pela segundona em um cenário inóspito: depois de uma chuva de granizo que deu estrago no Estádio Municipal de Caçador, o gramado ficou tomado pela água. Quase 70% do gramado foi tomado pela água, sendo que locais tinham uma lâmina de mais de 10cm. Nada que fizesse o árbitro Jefferson Schmidt mudar de ideia. Futebol mesmo teve pouco, mas o jogo aconteceu, e o Brusque ganhou.

2- Vamos empurrar o busão, moçada!: rebaixado para a segunda divisão após a derrota para a Chapecoense em Xanxerê, o time do Camboriú teve que lidar com a surpresa de ver o ônibus que levava a rapaziada de volta pra casa quebrar na altura de Rio do Sul. Como desgraça pouca é bobagem, o time levou no bom humor e empurrou o busão na maior brincadeira, depois de alcançar a segundona.
 Veja o vídeo clicando aqui.


1 - Uma trave que cai: o primeiro da lista não teria como ser outro. Foi manchete internacional e até parte do Top 10 do Sportscenter americano: a queda da trave do estádio de Xanxerê sobre o zagueiro Fábio Ferreira do Criciúma será uma das cenas mais patéticas da história do Campeonato Catarinense. Cena que deixou todos atônitos, provocou uma série de matérias sobre uma trave e muitas, mas muitas risadas. E teve quem achou tudo isso normal. O presidente da FCF chegou a pensar em colocar uma trave colada na outra e usar algo pra segurar a dita cuja. Coisa de comédia pastelão. Uma marca do quanto nosso futebol precisa evoluir. E pensar que, dias depois, o jogo seria a final do Campeonato Estadual. Veja o vídeo desse momento histórico clicando aqui.