sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Metrô chega à liderança, e joga pressão para o JEC x Chapecoense de domingo

Carlos Junior / Notícias do Dia
Com um gol nos acréscimos, o Metropolitano vai se credenciando para ser o "intruso" no quadrangular final do Campeonato Estadual. Ainda que falte muita bola pra rolar, o time já abre cinco pontos de vantagem para Joinville e Chapecoense que, na teoria, seriam times a brigar pela parte de cima. Só na teoria, porque até agora eles não apareceram na prática.

Em Itajaí, o Metropolitano se aproveitou dos erros do Joinville. Abel Ribeiro soube ler o adversário para achar as brechas e, com um preparo físico bem melhor, conseguiu brigar por um gol que fez muita diferença.

O JEC teve muito mais posse de bola, assim como foi contra o Criciúma. O time cria, tem jogadas, mas tem um defeito sério: não chuta a gol. De nada adianta ter muito mais posse que o adversário se o time não põe a bola na rede. Até que uma recuperação era possível: depois de um primeiro tempo apático onde o Metrô fez um gol de bola cruzada com Elton, o JEC voltou com outra motivação para os segundo, empatando logo no início da segunda etapa com Francis.

Poderia acontecer uma reação tricolor, mas as pernas e as faltas de chutes não deixaram. O Metropolitano aproveitava os contra-ataques e jogava no erro do adversário. Até que Ivan erra na saída de bola, dá a chance pro cruzamento para Juliano Mineiro, que teve toda a tranquilidade para dominar, girar, e chutar. Chutar. Coisa que o JEC não parece gostar muito de fazer.

O Metrô vai para o Scarpelli de consciência tranquila de quem precisa de mais três ou quatro vitórias para estar no quadrangular. É um time compacto que não se expõe, o tipo da casinha bem arrumada. Já as batatas de Joinville e Chapecoense começam a assar. São as duas principais vítimas do turno tiro curto de nove rodadas. A pressão já está forte, Hémerson Maria já foi cobrado. Domingo, na Arena, Coelho e Índio se enfrentam. Quem perder, começa a assinar a passagem pro Hexagonal e entra na primeira crise do ano, em pleno fevereiro. Coisas de um regulamento que não perdoa.



Nenhum comentário:

Postar um comentário