sábado, 25 de janeiro de 2014

Na ressaca da pré-temporada, Figueira vence sofrido e Chape perde em Jaraguá

Eduardo Valente / Notícias do Dia
O principal problema para os times catarinense das Séries A e B quando enfrenta os pequenos é a tal da ressaca da pré-temporada. Contra times com um mês a mais de treinamento pelo menos, a diferença técnica diminui por causa do entrosamento. Neste sábado, aconteceram duas provas disso. O Figueira achou um gol para vencer, e a Chapecoense, com a cabeça em outro mundo, perdeu pro Juventus.

No Scarpelli, o Figueirense pegou um Brusque bem armado por Pingo. Um time organizado na armação, três volantes para fechar os espaços contra um time que ainda procura o seu padrão. O esquema funcionou durante quase todo o jogo. No primeiro tempo, com o vento a favor, o Figueira teve poucas chances de gol. No segundo, quando a ventania beneficiou o Bruscão, o time de Pingo criou, criou, mas não deu perigo. Se tivesse um ataque mais qualificado, o alvinegro correria sério risco de derrota. Mas no final do jogo, em uma falha do volante Eliélton, saiu a deixa para que o Figueirense criasse a jogada para o gol de Lúcio Maranhão, um "ufa" diante de uma situação tão complicada.

Fica desse jogo a boa impressão deixada pelo Brusque, que mostra uma organização interessante, mas ainda tendo muito que evoluir. O Figueirense do sábado não será o mesmo time daqui a uns 20 dias, quando espera-se que haja evolução técnica. Só mais tarde vai dar pra dizer se esse time vai longe. E essa regra vale pra todos os grandes

Henrique Porto / Avante!
Agora, o jogo em Jaraguá do Sul. Desde o primeiro minuto, a Chapecoense se mostrou muito displicente. Parece que a cabeça estava em outro lugar que não o João Marcatto. O Juventus, sem mostrar nenhum grande poder, tratou de marcar certinho, achar espaços no adversário e tentar chegar no gol de Nivaldo. E chegou, nos erros do adversário, em uma bola aérea no primeiro tempo para o gol de Moscatelli e na falha de Fabinho que originou no gol de Jabá. E poderia ter vencido de mais, porque a Chapecoense estava completamente fora de qualquer ambiente próximo de um jogo que valia três pontos. Até teve uma pressão no final do jogo, mas insuficiente já que o prejuízo era grande.

O complicado gramado prejudicou o jogo, mas promete ser até uma arma a favor do Juventus nesse Estadual. Gilmar Dal Pozzo, em certo momento, desistiu de treinar o time à beira do gramado. E tanta displicência tem que ser levada com uma lição: não é porque o time subiu pra Série A do jeito que foi que vai patrolar no Estadual. A humildade e a entrega do time verde são coisas que chamaram a atenção nos últimos anos. Isso faltou em Jaraguá do Sul. Melhor para o Juventus.


Nenhum comentário:

Postar um comentário