quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Ressacada de recuperação e protesto

Eduardo Valente / Notícias do Dia
Hémerson Maria volta para Joinville com um bom peso a menos. Precisava dessa vitória fora de casa para ter um pouco mais de tranquilidade e manter vivas as chances de classificação. Conseguiu, jogando melhor que o Avaí dentro da Ressacada durante todo o jogo. Venceu por 2 a 0 e volta para a briga do quadrangular. Já o Avaí viveu mais um capítulo triste da crise financeira. Vi cenas lamentáveis. Mas disso, vou escrever mais embaixo.

No jogo, o goleiro Ivan não fez defesa alguma. O Avaí até chegava ao ataque, mas esbarrava na bem postada defesa tricolor. Os laterais tiveram dificuldades, e o JEC foi construindo seu jogo. Apostando na confusa zaga do time da casa, o time tentou muitas bolas pelo meio. As laterais, com Saci e Murilo, também foram acionadas, tentando furar uma marcação que era bem falha. Depois de um primeiro tempo morno, o Joinville fez 1 a 0 com o criticado Alex, que dominou dentro da área pra fazer. E ainda chegou ao segundo, em outra lambança da zaga avaiana, que deu a oportunidade para Edigar Júnio fechar a conta. Vitória e recuperação. E se o tricolor bater o Juventus em Jaraguá no sábado, corre sério risco de fechar a rodada no G4.

Depois do jogo, ouvi gritos de torcedores e depois, gritos estridentes que pareciam ser de mulheres. Bombas de efeito moral eram detonadas. Corri pra trás das cabines, e vi esses torcedores (se é que dá pra chamar por esse nome) invadirem o setor das sociais, tentando chegar nos vestiários. Momentos tensos que acabaram ferindo um segurança e que abre mais a ferida dentro do Avaí. O clube deve várias folhas de pagamento para atletas e funcionários, o time dentro de campo é uma bagunça, o treinador não sabe o que fazer e, agora, ninguém mais fala. Culpa de Emerson Nunes? Não. Como cobrar um time que não recebe a contrapartida do clube, ou seja, o salário em dia? Emerson está lá porque o clube não tem condição de pagar mais por um profissional mais capacitado. E a diretoria, que assumiu o clube sabendo do passivo que tinha pra resolver, não deu jeito na situação. É aquela história: "você finge que eu pago que eu finjo que jogo". Aí, o Avaí não fez porcaria nenhuma contra o JEC, e caminha a passos largos para o hexagonal. Sem compromissos em dia, não tem jeito. E a situação tende a piorar, pois as rendas na segunda fase serão bem menores, sem transmissões pela TV... Enfim, menos dinheiro entrará no caixa.

A rodada também teve o empate em Chapecó que não é ruim para o Figueira, mas é péssimo para a Chapecoense, que ainda não venceu e é outro grande que deve ir pro hexagonal da morte. O Brusque venceu a primeira, contra o Juventus, e o Ibirama bateu o Marcílio em casa. A situação caminha para dois ou três dos chamados grandes no quadrangular final. Ou seja, tem espaço de sobra pra turma dos pequenos aproveitar.


Nenhum comentário:

Postar um comentário