domingo, 28 de setembro de 2014

Antonio Carlos pode se incomodar. Avaí está limpo

Quem jogou bola profissionalmente sabe que xingamentos em campo existem aos montes e de tudo que é tipo. Ali jogam profissionais que são pagos pra isso e que se doam pra conseguir resultado. O problema é que os principais jogos do Brasileirão tem dezenas de câmeras voltadas pro campo.

Antonio Carlos é um desses. Foi xingar o atacante Francis e acabou filmado. Virou assunto e é o novo nome citado quando o futebol brasileiro está vivendo a polêmica do racismo lá na Arena do Grêmio e "macaco" virou palavra proibida. Inclusive, segundo o próprio relato de Francis no Boletim de Ocorrência, o zagueiro avaiano pediu desculpas ao fim da partida.

Sem querer tomar juízo da atitude dele, não vejo como o Avaí ser punido nesse caso. É bem diferente do que aconteceu em Porto Alegre, quando um ato da torcida criou toda a confusão. Se houver denúncia, o jogador vai ter que arcar com as consequências, como é muito bem explicado no artigo 243-G do CBJD (veja abaixo), que diferencia os atos isolados do jogador daqueles que podem ter culpa do clube. A pena prevista é de cinco a dez partidas.

Não tem jeito nenhum do Avaí ser punido, seja com mando de campo ou perda de pontos, como andei lendo nas últimas horas. O clube só pode perder uma coisa, que é Antonio Carlos em campo por algumas partidas.


Artigo 243G do CBJD:

Praticar ato discriminatório, desdenhoso ou ultrajante, relacionado a preconceito em razão de origem étnica, raça, sexo, cor, idade, condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência: (Incluído pela Resolução CNE nº 29 de 2009). 

PENA: suspensão de cinco a dez partidas, se praticada por atleta, mesmo se suplente, treinador, médico ou membro da comissão técnica, e suspensão pelo prazo de cento e vinte a trezentos e sessenta dias, se praticada por qualquer outra pessoa natural submetida a este Código, além de multa, de R$ 100,00 (cem reais) a R$ 100.000,00 (cem mil reais). (Incluído pela Resolução CNE nº 29 de 2009). 

§ 1º Caso a infração prevista neste artigo seja praticada simultaneamente por considerável número de pessoas vinculadas a uma mesma entidade de prática desportiva, esta também será punida com a perda do número de pontos atribuídos a uma vitória no regulamento da competição, independentemente do resultado da partida, prova ou equivalente, e, na reincidência, com a perda do dobro do número de pontos atribuídos a uma vitória no regulamento da competição, independentemente do resultado da partida, prova ou equivalente; caso não haja atribuição de pontos pelo regulamento da competição, a entidade de prática desportiva será excluída da competição, torneio ou equivalente. (Incluído pela Resolução CNE nº 29 de 2009). 


Um comentário:

  1. Boa tarde,excelente post Rodrigo,parabéns,diferente de muitos outros jornalistas que estão falando muita bobagem.O que pune é a lei e não opiniões!

    ResponderExcluir