terça-feira, 2 de setembro de 2014

JEC vence no detalhe e sem espetáculo. E vai ser assim até o final

Assessoria JEC
O JEC vai dormir líder da Série B após uma vitória sofrida contra a Lusa. Mas não é o sofrimento de um jogo equilibrado. É aquela raiva que corria na veia do torcedor de um time que não conseguia se impor perante um adversário muito mais fraco. Um jogo sob controle que acabou num empate e que quase foi uma virada, não fosse a trave.

Fabinho, que entrou no lugar de Edigar Júnio, salvou a pátria no final.

Quer saber? A proposta do time é essa e o treinador não vai mudar. Vai ser assim até o final. Muita ligação direta, sem futebol bonito, escalações no mínimo estranhas. E como o time está trazendo resultados, mesmo que sem folga, então que siga assim, com o time atuando no limite. Torçamos para que isso dê certo lá até novembro.

Deu tudo certo. Hemerson colocou quatro volantes em campo, com Marcelo Costa suspenso. Perdeu o meio. Colocou Eduardo Ramos quando a situação estava complicada. Jogo estava muito fácil. A acomodação veio. O empate veio, Fabinho entrou e salvou a pátria.

Mais três pontos na conta, a primeira vitória da história do time na capital paulista. Uma semana a mais no G4, e time completo para pegar o Paraná semana que vem.

Na Série B ninguém está dando show. Então o caminho do acesso terá que ser montado assim, tijolo por tijolo. Vencer jogando feio também marca três pontos.


domingo, 31 de agosto de 2014

Podia ser melhor, mas o pontinho é bem-vindo

Luiz Henrique / Figueirense FC
Não há mais o que provar que Argel apagou o incêndio e que o time do Figueirense hoje é competitivo contra qualquer time do Brasileiro.

Não é um time para brigar por título, claro. Mas para o que se espera dele, tá tudo certo.

Contra o São Paulo do Muricy, time de investimento infinitamente superior, bem armado, que briga pela parte de cima e está de olho na Libertadores, os três pontos escaparam na trombada que Paulo Roberto deu em Osvaldo para causar o pênalti no final do jogo. Mas é um pontinho que coloca o Figueira a quatro de distância da zona de rebaixamento.

Vale também aqui registrar o bom público no Scarpelli, no que seria o último jogo da promoção de ingressos a 30 reais, que a diretoria do Figueirense prometeu para o mês de agosto. É bom considerar a importância que o fator torcida tem e manter esse preço até o final do ano. Não é justo a turma ajudar o time a se recuperar, e quando o time deu uma reviravolta, o preço volta a ser salgado. É questão de coerência.