sábado, 18 de outubro de 2014

Atropelamento tricolor na hora certa

Assessoria JEC
Naquele que deveria ser um dos jogos mais tensos dessa reta final da Série B, o Joinville acertou o primeiro golpe no início do jogo, deixou o Ceará desnorteado e teve total controle para garantir uma vitória importantíssima.

Time ligado em campo, torcida lotando o estádio e empurrando durante todo o jogo, aplicação. Ingredientes da vitória de um jogo de seis pontos que colocou o tricolor na segunda posição, a quatro pontos do quinto colocado.

Um problema que Hemerson Maria ainda não tinha conseguido solucionar a contento era a organização do ataque sem Jael. Hoje Fernando Viana fez sua melhor partida no Brasileirão, puxando a marcação, criando e abrindo alternativas. Foi premiado com um gol, aproveitando a falha da zaga cearense. Ainda não representa o que Jael fazia na área adversária, mas sem dúvida é um avanço. O Joinville precisava dessa boa notícia.

Sérgio Soares foi envolvido pelo time do JEC. Tem um time bom, mas dentro da Arena não ameaçou o adversário.

Com promoção de ingressos continuando, o ABC será o adversário em casa na terça. Chance boa de aumentar ainda mais a vantagem e ir para Florianópolis sem muita pressão contra o Avaí, que terá na terça um jogo complicado contra a Ponte Preta.

Sábado de festa na Arena. O tipo da vitória que o Joinville precisava, pelos pontos e pelo jeito que ela veio.




terça-feira, 14 de outubro de 2014

FCF e MP barram cinco torcidas organizadas. Efeito prático: nenhum

Não é a primeira vez que isso acontece. FCF e Ministério Público resolveram banir símbolos e vestimentas de cinco torcidas organizadas do Estado: Mancha Azul, Gaviões Alvinegros, União Tricolor, Fúria Marcilista e a Força Independente do Brusque (e não "Torcida Jovem" que inventaram por aí), que só vai voltar a campo no meio do ano que vem, na segundona.

Qual o efeito prático dessa decisão? Nenhum. Pro pessoal ir pro estádio com ou sem uma camisa de torcida, dá na mesma. Se o cara quiser aprontar, vai se meter no meio do torcedor comum que nada tem a ver com organizada.

Ao mesmo tempo, houve hoje o anúncio de que a Polícia Militar vai escoltar os ônibus de torcedores do Joinville (muitos de organizada, mas sem algo que o identifiquem como tal), durante todo o trajeto de ida e volta, algo em torno de 360 km de operação.

Mais uma vez está provado que as autoridades não agem para resolver o problema e identificar os criminosos. Na emboscada de avaianos em Barra Velha, ninguém foi preso. No crime de Balneário Camboriú que vitimou o torcedor João Grah, os responsáveis foram identificados, mas ninguém foi preso. (veja abaixo matéria do "Cidade Alerta", da RICTV Record).

Pra que um crime seja solucionado, é necessário que se encontre um culpado, e que ele seja preso. Nesse caso, ninguém está indo pra cadeia. Suspensão pra inglês ver, já que o problema não será resolvido.

Um jeitinho para mudar a fórmula do Catarinense-2015

Há quase um ano, escrevi nesse blog que ia ter time grande reclamando do regulamento proposto pela Associação de Clubes para o campeonato estadual de 2014. Tava na cara, obrigatoriamente no mínimo um clube "grande" iria ficar de fora, sem holofotes, sem televisão, enquanto que o pau quebrava no quadrangular. Desenharam sem observar o efeito, o Metropolitano foi para o quadrangular e Chapecoense e Avaí foram jogar 10 partidas sem tesão para se manter na primeira divisão.

Vem a discussão do Estadual 2015 e deram um jeitinho: a FCF diz que o Ministério do Esporte concordou e as chaves foram invertidas: agora são seis que buscam a final e quatro vão se matar pra não cair. Não garante, mas diminui o risco de time grande ficar de fora da vitrine até o Brasileirão.

É melhor que o regulamento de 2014, mas não é o ideal. Continua o desbalanço do turno único onde metade dos times farão menos jogos em casa. Com uma data a mais, daria pra fazer turno e returno com todos e classificando quatro. Resolveram não cutucar o estatuto que já teria feito um grande favor de consertar a lambança impensada.

Outra mudança: os três primeiros vão pra Copa do Brasil. Isso o estatuto também deixou? Toca...

E teve mais uma: no final do estadual passado, a FCF chegou a anunciar o Marcílio Dias como dono da segunda vaga catarinense na Série D, pela sua posição no hexagonal. Acontece que teve gente que não leu o regulamento, e o Guarani de Palhoça conquistou sua vaga de direito. O presidente Delfim, então, disse que o Marcílio já conquistaria uma vaga na Série D do ano que vem, mesmo que nenhum regulamento determinasse isso. Ele teve que voltar atrás na decisão, já que não poderia seguir com esse canetaço em frente. Some-se a isso o fato que um novo presidente do Marcílio será eleito nesta semana. E também pode ser um tipo de resposta à agressão que sofreu em Itajaí, naquele jogo estranho contra o Atlético de Ibirama. O time de Itajaí poderia exigir algo garantido por escrito, mas...

No próximo capítulo, vamos ver se algum estádio vai passar liso nas vistorias. Todos lembram o que aconteceu nos últimos dois anos.


domingo, 12 de outubro de 2014

Comemoração e atenção

Fernando Ribeiro / Criciúma EC.
Da turma catarinense, só o Figueirense perdeu na rodada, com um time desfalcado e fora de casa para o Atlético. Jogo decidido em cima de uma escolha infeliz de Argel. Foi pelo lado de William Pottker que o time de Curitba achou o caminho da vitória. Fez uma improvisação que surpreendeu a todos e pagou com a derrota. 

Aquele time que engatou uma série de bons resultados chega à terceira derrota e fica a dois pontos da zona de rebaixamento. Ou seja, o time pode voltar pra zona se perder para o Coritiba. Prefiro ficar com a tese da escolha infeliz. Argel tentou justificar o injustificável, mas é só combinar com ele pra não repetir a loucura. E final de semana que vem tem jogo pra vencer.

O Criciúma venceu bem o Santos e deu uma semaninha de paz para Gilmar Dal Pozzo. A situação da parte de baixo da tabela é tão parelha que duas vitórias colocam o time lá em cima. O Tigre já havia vencido bem o Galo, mas mostrou um futebol sofrível em Curitiba. Contra o Fluminense, essa fraqueza do Couto Pereira não vai poder aparecer.

E o "título" de melhor catarinense passa pra Chapecoense, que quase colocou tudo a perder na expulsão de Tiago Luiz, que achou um improvável gol de fora da área. Dá até pra tentar fazer uma comparação com o time quando era treinado por Celso Rodrigues. Antes, o time era fechadinho e jogava por um contra-ataque bem encaixado. Agora, o time além de marcar, consegue criar. Jorginho, que era uma grande incógnita quando do seu anúncio, vai correspondendo a confiança. Que continue assim. Que venha o Galo no sábado.