quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Acabou o Desafio Internacional das Estrelas

A organização do Desafio Internacional das Estrelas, evento de kart que aconteceu neste ano no parque Beto Carrero em Penha e promovido pelo piloto Felipe Massa, informou hoje a tarde que a prova não mais acontecerá.

Não apareceram maiores explicações sobre o porque do fim do evento.

Bom lembrar que o Governo do Estado, através da Fesporte, deu uma boa ajuda ao evento, repassando R$ 1,650 milhão a título de patrocínio. O que, cá entre nós, é um valor absurdo.

Já a prova das 500 milhas da Granja Viana, que aconteceu no Beto Carrero nas três últimas temporadas, está confirmada para o dia 13 de dezembro (Nota: este blog informou que a prova das 500 milhas havia sido transferida para o kartódromo Sapiens, em Florianópolis. Acontece que o evento voltou para Penha. A organização afirma que a pista da Capital precisa de reformas, mesmo sendo muito pouco usada).

Abaixo, a íntegra do comunicado oficial:

“O Desafio Internacional das Estrelas, prova de kart idealizada por Felipe Massa que vinha reunindo nomes de destaque das principais categorias mundiais, deixará de ser realizado a partir de 2015.
Aproveitamos a oportunidade para agradecer a todos que contribuíram para transformar o Desafio Internacional das Estrelas em enorme êxito – pilotos, patrocinadores, promotores, organizadores, autoridades estaduais e municipais, imprensa, colaboradores e, principalmente, ao público que sempre nos prestigiou e foi parte fundamental em sua história vitoriosa”.

Galo copeiro no Independência

VipComm
São dias em que muito se discute se é melhor jogar o mata-mata ou os pontos corridos. A emoção das semifinais fez com que muita gente achasse que deveria ser assim também no Brasileirão. Tem que saber separar as coisas. São duas competições com perfis completamente diferentes. E essa diferença que é tão legal.

Aparece aí a figura do "time copeiro" eternizado pelo Grêmio da década de 90 e que vê agora no Atlético-MG uma versão contemporânea.

O futebol é o mesmo, mas a maneira de jogar é diferente. Defesa sólida, saídas rápidas e muita, mas muita combatividade em campo. Sabendo que o jogador, na teoria, está concentrado em 180 minutos e não em uma dezena de jogos, cria-se outro ambiente e o futebol em campo ganha outra cara.

E o Galo de Levir Culpi jogou no Independência como deve ser. A diretoria apostou no Independência para ter o caldeirão do seu lado e deu certo. Dentro de campo o time correspondeu, engolindo o Cruzeiro e construindo uma boa vantagem com um time que só não está brigando pelo título brasileiro por causa do fraco início. Levir conseguiu construir um crescimento ao longo do ano que deu muito certo.

No Mineirão, a Raposa vai ter que fazer o que o Galo fez duas vezes, contra Corinthians e Flamengo. Não se deve subestimar o poder do líder do Brasileirão, mas o time do Marcelo Oliveira precisa pegar um pouco do espírito copeiro para levar esse troféu. Não vai ser fácil.


segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Marcão deu a letra, A de Alívio e de Série A

Assessoria FFC
Jogo bem complicado no Scarpelli lotado, com Figueira e Chapecoense fazendo um daqueles confrontos diretos que são decisões na reta final do Brasileiro.

Melhor pro alvinegro, que venceu com um belo gol de letra de Marcão e contou com a sorte de um gol perdido por Ricardo Conceição que qualquer um faria.

Argel teve a sorte da entrada de Pablo dar outra dinâmica do ataque do time, que estava preso no jogo amarrado da Chapecoense, com forte marcação e sistema ofensivo bem confuso. No segundo tempo, o time de Jorginho arriou, e abriu o caminho para a vitória importante

O Figueira dá uma escapada da zona da confusão e colocar a Chapecoense num grande problema. O Verdão ainda não entra na zona de rebaixamento, mas precisa cada vez mais se cuidar. Ambos tem confrontos diretos contra Vitória e Botafogo, times que estão de mal a pior. Com vitórias de cada um, a tendência é escapar ainda mais, além de um ajudar o outro.

Tem o caso do Criciúma, que achou um gol no começo do jogo contra o Cruzeiro mas não aguentou o tranco. Foi derrotado pela qualidade bem superior do líder do campeonato. Cada vez os discursos na linha do "eu acredito" são mais fortes. É o desespero batendo. Já há inclusive uma reestruturação anunciada pelo presidente Antenor Angeloni.

Há uma tendência de formação de uma zona definitiva do rebaixamento. Disso falo amanhã.