domingo, 5 de abril de 2015

Os três primeiros venceram. JEC sofreu para continuar líder

O Campeonato Catarinense pode conhecer o seu primeiro finalista na quarta-feira, se o Joinville vencer a Chapecoense na Arena Condá. Com as vitorias dos três líderes no final de semana, a briga se acirra para as três rodadas finais. E na gangorra do desempenho, há um cenário de equilíbrio, só que nivelado por baixo. Bem por baixo.

Debati a situação do JEC com alguns amigos, e vejo que há uma divisão. Uns acham que. O time mostrou uma real evolução e cresceu na hora certa. Outros, e eu me incluo nessa turma, veem que o time vem contando com alguns acontecimentos para chegar onde está. O JEC não melhorou em nada? Melhorou sim, tem mais vontade, é um pouco mais agressivo e incrementou o uso das laterais. Fica por aí. O problema de armação do time é crítico. O Jogo estava sob controle contra o Internacional quando a defesa resolveu aparecer no segundo tempo, quase colocando tudo a perder. Não fosse um milagre de Oliveira somado com um pênalti claro não dado por Heber Roberto Lopes, que estavam muito longe do lance, que a liderança ia embora. De toda forma o time venceu, e pode se garantir na decisão quarta, apesar de não ser favorito contra a Chapecoense.

Bom notar que a Chape mostrou em Blumenau que parece ter reencontrado um futebol convincente. Ainda que toda boa fase necessite de uma segunda ou terceira prova, o modo como o time encarou o Metropolitano deu esperança de que a vitória poderá vir em casa, para diminuir a diferença para o JEC na reta final.

Já o Figueirense jogou para o gasto em Criciúma. Começou o jogo vencendo, não dominou o time mais fraco do hexagonal como se esperava e tomou susto no final. Quase tomou um empate que teria efeito de uma grande derrota. Pesa a favor do time de Argel ter dois jogos em casa contra Metropolitano e Inter para ter tranquilidade. Esperava mais futebol de um time encaminhado como favorito e que não mostrou tanto brilho nesta semana.

Pelos motivos mostrados acima é que o equilíbrio existe. Uns crescem, outros diminuem. No fim das contas a briga está aberta. E sem esquecer de uma coisa: pensando no Brasileirão, que começa na semana seguinte à final, tem muito o que evoluir.


Nenhum comentário:

Postar um comentário