sábado, 4 de julho de 2015

O gelado zero a zero em Curitiba

Assessoria JEC
O resultado no Couto Pereira foi bem a cara de Coritiba e Joinville, os dois piores times do Brasileirão. Um jogo de fraca qualidade onde o Coxa foi melhor mas acabou esbarrando em Agenor. Mais uma vez Adilson Batista mexeu muito no time, e deu pra ver claramente em campo que o entrosamento pegou.

Um jogo que teve um primeiro tempo horrível do JEC, com muitos erros de passe e falta total de articulação no meio. Se tivesse enfrentado um time mais qualificado, fatalmente tomaria mais de um gol. Por sorte, a intranquilidade do Coritiba falou mais alto e o placar ficou fechado.

Adilson Batista mexeu errado na volta para o segundo tempo. Deveria ter tirado Diego, que mostra muita intranquilidade e ainda por cima estava pendurado com o amarelo (Detalhe: o técnico do JEC levou para o Paraná apenas 18 jogadores, e nenhum lateral reserva). Houve uma sensível melhora do tricolor, em muito motivada pela pressão crescente e o aumento da intranquilidade do Coxa. Agenor segurou as pontas e o jogo terminou empatado

Deu certo no fim? Depende do aspecto. Se o JEC tivesse uma campanha razoável, seria um ponto bem vindo. Mas se tratando de um confronto direto contra o vice-lanterna, em que o empate pouco ajudou, não dá pra comemorar nada. O time continua mal escalado, onde os melhores laterais do time sequer são relacionados, e boas opções como Bruno Aguiar e Marcelinho Paraíba são sumariamente deixados em casa, quando o time poderia ter mais quatro jogadores no banco.

Essa é a filosofia de Adilson: meter o dedo na composição de elenco e mexer demais em um momento que é altamente necessário simplificar. Dar padrão de jogo com tantas mudanças e dois jogos por semana se torna uma tarefa praticamente impossível.

Segue o bonde, e segue a má campanha. Jogo que não dá pra se tirar nada. Não esqueçamos que o Joinville empatou com o penúltimo lugar.




Nenhum comentário:

Postar um comentário