domingo, 25 de outubro de 2015

Novamente, o JEC perde a chance quando ela aparece

Assessoria Internacional
O Joinville foi para Porto Alegre de certa forma motivado depois das duas vitórias em casa. A tabela colaborou e o time tinha a chance de, efetivamente, encostar na briga contra o rebaixamento.

Mas acabou se repetindo uma antiga novela: quando as portas se abrem, o time não quer entrar.

O Inter não jogou absolutamente nada. Ficou tocando a bola e não criou perigo para Agenor. O tricolor que teve as duas melhores oportunidades nos pés de Anselmo: no primeiro tempo, faltou calma para passar, no segundo, boa defesa de Alisson.

Aí o Joinville não pensou em pressionar. Acabou punido numa falha absurda de defesa ao deixar o baixinho Vitinho cabecear sozinho no meio da área.

Sem vontade, não tem gol. Sem pressionar, não tem chance. Aí Ricardo Bueno, um zero a esquerda no jogo, sai mais uma vez machucado. Entrou Edigar Junio, que se escondeu atrás da marcação. Aí fica difícil.

Tem mais uma oportunidade fora de casa para o JEC fazer o crime, que é sábado que vem em Campinas, contra a Ponte. Dá pra fazer? Dá. O problema é que a Ponte é mais time que o Inter. Tarefa mais complicada para executar, ainda mais sem Kempes, suspenso.


Nenhum comentário:

Postar um comentário