quinta-feira, 16 de julho de 2015

Catarinense 2015, a zoeira não tem fim

Fabrício Porto / Notícias do Dia
O Estado acordou hoje com a notícia do misterioso desaparecimento daquela coisa feia que chamam de troféu do campeonato catarinense. Nem as 70 câmeras de vigilância da Arena Joinville foram capazes de identificar quem fez isso.

Consequência do dia em que o STJD confirmou a punição ao JEC, o que era esperado. Surpresa foi a confirmação do título para o Figueira (falo sobre isso na minha coluna de hoje do Notícias do Dia, clique aqui para ler)

O "melhor campeonato de todos os tempos" que o presidente da Federação fala de peito cheio ainda não terminou. O JEC ainda tenta alguma coisa para devolver o caso à FCF e tentar nem que seja dividir o título na base do canetaço. Enquanto isso, o país repercute o que aconteceu naquele campeonato que chamou a atenção por ter quatro times da Série A, que teve três times colocando jogadores irregulares, e onde o campeão no campo cometeu um erro juvenil em uma partida que não valia nada e acabou tendo que mandar o troféu para Florianópolis. Na calada da madrugada, seres não identificados quebram a loja do clube e levam o troféu de lá. Zoeira pura.

A imagem do futebol catarinense manchada de novo. Se a Associação de Clubes já não consegue quase nada na comercialização do campeonato, agora mesmo que vai ter que se matar para arrumar uma verbinha extra no ano que vem. Culpa da desorganização deles e da Federação, louca para fazer as finais mesmo com um problema pendente.

Mas se eles aceitam o que está aí, quem somos nós pra reclamar, né? Resta só lamentar e pensar o que será do futuro.


quarta-feira, 15 de julho de 2015

Figueirense e Criciúma, entrega acima da média e duas grandes vitórias

Vitor Silva / SS / Notícias do Dia
Há quem não dê importância para as grandes vitórias de Figueirense e Criciúma na Copa do Brasil. Tem jornal que não deu nem notinha.

A noite de 14 de julho vai ser lembrada como o dia que o criticado Marcão meteu um belo gol de letra nos acréscimos para eliminar o Botafogo no Rio. Em Porto Alegre, o desacreditado Criciúma, que faz campanha de razoável para ruim na Série B, foi valente, saiu na frente e suportou a pressão do Grêmio. Petkovic ainda lamentou, poderia pelo menos ter feito mais um.

Sobrou entrega dos dois times. Uma vontade acima da média que, além de colocar um time entre os 16 das oitavas da Copa do Brasil e encaminhar outra vaga (que garante uma grana muito bem vinda), dá uma grande moral.

Grandes vitórias costumam dar grandes impulsos. O Figueirense vai pegar o Coritiba em casa nas graças do torcedor e com grande chance de, dependendo dos resultados, ir para a primeira parte da tabela do Brasileirão. Já o Tigre pega o forte Bahia, que pode liderar a Série B em caso de vitória, com uma esperança renovada de uma possível arrancada que precisa começar o quanto antes.

Parabéns.


domingo, 12 de julho de 2015

Muitos erros e mais uma decepção do JEC

Carlos Junior / Notícias do Dia
Mais uma derrota do Joinville em casa no Brasileirão. E desta vez, para o time reserva do Internacional, que não mostrou nada de espetacular. Teve erro de arbitragem? Teve sim, o pênalti que resultou no segundo gol foi inexistente.  Mas o que o JEC fez para ter um final diferente? Nada. Faltou proposta, faltou organização, faltou tudo.

A escalação inicial foi polêmica. Alegando problema clínico, Mário Sérgio foi sacado do jogo, para a entrada de Dankler, um zagueiro, cuja escalação é reconhecidamente errrada. O problema é que Adilson Batista não gosta de Suéliton, que foi liberado para o Figueirense. Aí você olha para o banco de reservas e ele nem se dá ao luxo de colocar Marcelinho Paraíba ou até Trípodi como opções. Complica.

Jogo desorganizado, sem brilho, sem a entrega da vitória sobre o Figueira. Esse foi o resumo. É uma irresponsabilidade jogar a culpa no pênalti que não houve.

Houve mais uma chance de sair da lanterna e o time desperdiçou. Já tem torcedor jogando a toalha.