quinta-feira, 3 de setembro de 2015

O tempo está passando

* Publicado no jornal "Notícias do Dia" de 03/09/15

O Avaí que perdeu para o Flamengo em Natal não foi nem sombra daquele time que, com vibração, bateu o Internacional. Voltou a se complicar no campeonato. Gilson Kleina não conseguiu dar jeito de encontrar uma solução que fizesse o time reencontrar um bom caminho. Sem bolas de qualidade, Leo Gamalho praticamente passou em branco no jogo. A derrota volta a colocar pressão no time, que terá pela frente um jogo de importância dobrada no final de semana. É em casa, contra o Coritiba, que o Leão terá a chance de abrir distância para um adversário direto que vem de uma sequência melhor. Nada deu certo na Arena das Dunas. Agora, o time tem uma exigência ainda maior de fazer um bom resultado em casa.

Enquanto isso, o torcedor do Joinville vai lamentar por um bom tempo o empate com o São Paulo. Depois de muitos erros no primeiro tempo, o time conseguiu ter mais calma para aplicar o seu jogo na etapa final. Acabou parando na trave em duas oportunidades, e quase acabou punido no lance final, em uma defesa milagrosa de Agenor. Os dois pontos perdidos em casa impediram o tricolor de se aproximar da turma de fora da zona do rebaixamento.

Há um fato que precisa ser considerado nos últimos jogos do JEC, e que contrasta muito com a situação do Avaí. O JEC precisa muito melhorar sua qualidade nas finalizações. Cresceu muito no volume de jogadas criadas, mas ainda carece de melhoria na conclusão. Do outro lado, o ataque do Leão mostrou ter encontrado um bom caminho, mas precisa ser mais agressivo no controle da posse de bola e na criação de jogadas. O tempo está passando, e as soluções precisam aparecer antes que comece a época do desespero.

Vai ter Olesc e Parajesc

Quando as forças do esporte catarinense resolvem trabalhar juntas, muita coisa é possível. Valeu o grande esforço de dirigentes, técnicos e atletas de todo o Estado para que os cancelamentos da Olesc e do Parajesc fossem revertidos. O governo encontrou uma solução e, com isso, espantou uma grande ameaça de prejuízo irreversível no grande trabalho de base realizado nos quatro cantos de Santa Catarina. 

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

A estrela que pode fazer a diferença

* Publicado no jornal "Notícias do Dia"  de 01/09/2015

Léo Gamalho chegou ao Avaí e impressionou. Rapidamente virou ídolo da torcida marcando quatro gols em duas partidas, ficando apenas um atrás de André Lima, artilheiro do time. Junto com Nestor Camacho, as duas novidades do Leão trouxeram boas esperanças a um time que estava com o astral abalado. Ainda há um longo caminho e muito para resolver, principalmente no setor defensivo. Mas não há como negar que a vitória sobre o Inter com um artilheiro inspirado tem efeitos altamente positivos. Gilson Kleina, ameaçado de demissão, ganha um ambiente um pouco mais tranquilo para trabalhar duro para escapar de uma briga pelo rebaixamento cada vez mais acirrada, com Cruzeiro, Goiás, Coritiba e JEC com a corda no pescoço.

Já no Figueirense, o nome da semana não é uma novidade. Um atacante que passou do status de criticado a idolatrado. Marcão apareceu de forma decisiva contra Galo e Vasco mostrando o oportunismo mais do que necessário em um bom camisa 9. No Maracanã, conseguiu levar fácil Guiñazú na corrida para marcar o gol da vitória em um jogo complicado, com pressão do Vasco e muito trabalho para Alex Muralha. Apareceu a chance e ele não desperdiçou.

Tanto Avaí quanto Figueirense passam por bons momentos em seus ataques e conseguiram vitórias importantes no final de semana. O Leão conseguiu, no pior momento possível do mercado, encontrar dois nomes que puderam lhe agregar uma qualidade considerável. Já o Figueira, com a estrela de René Simões, que acreditou em Marcão, encontrou um caminho bem interessante para subir no campeonato. 

Figueira x Peixe

O Santos faz uma campanha de recuperação muito interessante no Brasileirão. Chegou a estar na zona de rebaixamento e, sob o comando de Dorival Junior, chegou à nona colocação, a apenas 4 pontos do G4, com quatro vitórias nos últimos cinco jogos. Os números impressionam, mas o Figueirense já mostrou toda a sua condição de seguir em frente na Copa do Brasil, não importa o adversário. Dessa vez o desafio é diferente, com o jogo de volta fora de casa, o que muda um pouco a estratégia. Mas isso é coisa pra se pensar mais para a frente. Vem aí uma sequência importante na Série A onde a ordem é não deixar baixar o ritmo e manter a boa fase.