sábado, 6 de fevereiro de 2016

Criciúma joga bem, mas bate o JEC com pênalti inexistente. A arbitragem tem jeito?

Torra o saco ter que falar de um jogo em cima de arbitragem, de novo. Mas lá vamos nós. Se o Criciúma acabou prejudicado pela expulsão de Roger Guedes em Brusque, agora recebeu um presente de Sandro Meira Ricci com um pênalti no último segundo de jogo. Essa "mudança de regra" de bola na mão ainda vai fazer muita gente chutar bola em braço de adversário. Nesse caso nem braço foi. O jogador do JEC tinha passado do lance, de costas, bola no ombro... Bom, mais um pra conta. Cinco jogos com arbitragens ruins em 11 partidas até agora no campeonato. Palmas pra você, Federação.

Certo é que o Criciúma foi melhor e até merecia vencer. Fruto da sua melhor organização contra um Joinville sem inspiração alguma no ataque e com uma dupla de volantes que assistiu o adversário jogar. É algo preocupante para o JEC: PC Gusmão não dá jeito de arrumar o seu setor ofensivo. Nunca achei Wellinton Junior grandes coisas, e Felipe Alves também não disse a que veio. Quem teve que salvar de novo foi Bruno Aguiar, um zagueiro, que deu a vitória em Palhoça e agora conseguiu empatar a partida.

O time de Roberto Cavalo me chamou a atenção pela organização. Bruno Lopes chamou a responsabilidade com a suspensão de Roger Guedes e deu volume de jogo ao Tigre. O time saiu na frente e acabou punido numa falha de marcação no gol de empate.

Sorte para o veloz time do Criciúma, que arranca bem no campeonato. O JEC vai, mais uma vez, cuspir abelha por causa das arbitragens. Mas isso não é problema só com ele: o nível está tão baixo esse ano que fico me perguntando o que fizeram na pré-temporada em Treze Tílias.




sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Goleada ótima para a autoestima do Avaí

Eduardo Valente / Notícias do Dia
Muitos previam uma tragédia do Avaí no campeonato estadual desde a primeira rodada, até por causa da maré de más notícias nesse início de ano. O campeonato começou e a história não foi bem assim: o time perdeu em Criciúma em um jogo equilibrado e passou o carro no Metropolitano de Valdir Espinosa em Palhoça com um partidaço de Diego Jardel.

O torcedor avaiano dormiu ontem e acordou hoje aliviado. O time comandado por Raul Cabral pode não chegar ao título, mas prova que se supera diante da desorganização fora de campo. E vamos ver quanto esse time pode render.

Ah, e sem esquecer que teve a estreia do Toshi! Caiu um mito.





quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

A rodada: três empates, vitória da Chape e "hat trick" da arbitragem

Carlos Junior / Notícias do Dia
Infelizmente vou ter que gastar espaço nesse post para falar de arbitragem na rodada de quarta do Estadual. Mas vamos lá, faz parte.

Joinville x Figueirense, o jogo mais importante da rodada, teve aqueles requintes de rivalidade acesa depois da final do estadual. Promessa de jogo pegado, ainda mais animado por causa da chuva no norte do Estado. Poderia ser um jogão, mas Célio Amorim quis ser a estrela do espetáculo. Expulsou William Popp por desleixo, ao dar um cartão amarelo sem saber que ele já havia sido advertido uma vez. Depois, no segundo tempo, resolveu compensar em um lance que Dudu tirou o pé em uma disputa de bola. Enfim, nada muito diferente do que já vimos de suas atuações em outras partidas. Com a bola rolando, o Figueira não soube aproveitar a vantagem, mesmo tendo um Clayton em fase sensacional. Aliás, ele segue sendo o grande candidato a craque do campeonato. Seu time vai demorar ainda pra se acertar, e ele vai carregando o piano do jeito que dá. Já o Joinville, que perdeu um jogador cedo, teve que se virar nos 30. Mas ainda mostrou que está longe do ideal.

Marcio Costódio / BFC
Em Brusque, o Criciúma voltou feliz da vida pra casa com o ponto conquistado. Bráulio Machado vinha com uma atuação perfeita até o momento que o espírito de Sandro Meira Ricci baixou nele. Roger Guedes não cometeu um erro para cartão vermelho. Uma advertência para ele estaria ótimo. Mas o árbitro, naquele desejo de querer ser durão, resolveu expulsá-lo. Aí o Tigre morreu, Roberto Cavalo tratou de fechar o time para garantir o empate. O time do Brusque hoje funciona muito bem na marcação, tem trabalhado bem na roubada de bola. O problema é no ataque. Giancarlo tenta exaustivamente o pivô e dificilmente aparece alguém para receber. Mesmo assim, o time criou chances de perigo, mas Luiz estava lá para segurar.

Pouco posso falar de Camboriú x Chapecoense, onde Cléber Santana fez o único gol, não fosse um porém: Héber Roberto Lopes enxergou falta que não existiu no gol anulado do Cambura, que vai lamentar por um bom tempo. Mais um prejuízo causado pela arbitragem, que logo vai ser chamada para ouvir bronca da chefia. Pode anotar.




quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Leo Moura chega para dar gás ao Metropolitano

Leo Moura chegou hoje
no aeroporto de Navegantes
O futebol de Blumenau, que sofre com a indisponibilidade de um estádio, a má vontade de muita gente e o desinteresse de grande parte dos empresários da mídia local (a cidade tem mais de 10 emissoras de rádio e somente uma acompanha os jogos, deixando muita gente boa sem prefixo) tem um fato novo com a chegada de Leo Moura no Metropolitano.

Ele chega para jogar no meio-campo e se vai ajudar de forma efetiva o time no campeonato estadual, só as partidas dirão. Mas nas últimas horas o clube foi destacado no Brasil todo com a notícia da contratação, que será paga através de uma "vaquinha" de empresários locais.

Não é uma estratégia nova, mas ainda traz bons resultados em divulgação e agora a tarefa do Metrô é capitalizar o máximo com isso. Só não dá pra perder o foco esportivo, caso Moura não renda o esperado e ainda cause algum problema no vestiário por causa da grande diferença salarial. Isso o tempo dirá.




segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

A primeira rodada

Assessoria Figueirense
A grande história da rodada do domingo foi protagonizada por Evandro Tiago Bender. Sou crítico da política de árbitros da FCF pelo simples fato deles se vangloriarem de ter em seu quadro uma penca de importados para abafar a má fama da turma daqui. E isso, e eu já ouvi de um árbitro local, desestimula muito. Parece que a pré-temporada na aprazível Treze Tílias nada serviu. O árbitro de Chapecó mostrou despreparo no Scarpelli ao dar o pênalti bisonho em Dybal para depois ignorar a entrada em Everton Santos. Não adianta geladeira. Chances foram dadas e ele mostrou que não tem condição.

O erro de marcação mudou o jogo, quando o Figueirense, ainda travado pelo começo da temporada, abriu o placar e teve muita dificuldade para segurar o Brusque, que foi melhor durante a partida. A partir do erro de arbitragem e a expulsão de Mauro Ovelha (eles não se entendem desde os tempos de Oeste), o Bruscão lutou e foi para o desespero. Derrota à parte, o time deixou uma boa impressão.

O Criciúma bateu o Avaí com um gol do zagueiro Diego Giaretta (olho nele, candidato à seleção do campeonato) e o Metropolitano venceu o Camboriú no jogo mais movimentado da rodada, em um confronto direto pela Série D. Metrô, aliás, que deve anunciar Leo Moura nessa semana.

Bola pra frente. Erros de arbitragem acontecem, e tomara que fique só pela primeira rodada.