domingo, 10 de abril de 2016

A rodada dos sonhos do Joinville

Assessoria JEC
Na Arena, o JEC fez a sua parte. Abriu o placar com um pênalti, poderia ter ido para o intervalo com um empate não fosse um erro da arbitragem, e controlou o Inter de Lages na segunda etapa para garantir a vitória, que lhe manteria na liderança do returno com dois pontos de vantagem para a Chapecoense, que estava vencendo o Metropolitano.

Eis que o Metrô virou o jogo marcando um gol nos acréscimos pela quarta vez no estadual jogando em Jaraguá. Venceu, deu um enorme passo para escapar do rebaixamento (ultrapassou o Avaí) e viu o Joinville abrir longos cinco pontos de distância. Pode até perder na Arena Condá. Decidirá a ida na final em casa contra o Brusque, que já alcançou o seu objetivo.

O Joinville não é um time brilhante em campo, mas Hemerson Maria mostra que tem estrela e o time está conquistando os resultados. Do outro lado, a Chape entra no terceiro jogo sem vitória e viu sua liderança derreter. O empate arrancado na raça contra o Brusque, o jogo burocrático contra o Figueira e a pior atuação do ano em Jaraguá já põem uma pulga atrás da orelha do torcedor.

A Chapecoense terá a vantagem de decidir o título em casa, mas o time não tem o mesmo rendimento do primeiro turno. Há tempo para uma reanálise do que aconteceu de errado. Há um adversário embalado e que quer acabar com esse favoritismo. Domingo acontecerá uma possível prévia desse encontro decisivo. Será interessante assistir, principalmente, se a Chape mostrará reação.


A falha que definiu o clássico para o Figueira e abriu a semana tensa na Ressacada

Eduardo Valente / Notícias do Dia
Figueirense e Avaí não fizeram um jogaço. Tecnicamente o jogo foi fraco e a decepção maior até foi do Figueira, até pelo crescimento mostrado no campeonato e o favoritismo que levava para o jogo. No fim, isso não aconteceu.

O empate até era bom resultado para o Avaí, conquistando um ponto que seria valioso para a classificação geral e a fuga do rebaixamento. Mas a falha bisonha de marcação em um contra-ataque acabou sendo fatal. Guilherme Queiroz recebeu sozinho e Renan, de boas defesas até ali, não teve como segurar. O time de Vinícius Eutrópio fez o pior dos jogos das últimas rodadas. Acabou encontrando o gol no erro do adversário.

Como sempre, faltou ao Avaí qualidade no ataque. Até agora, Silas parece ter organizado o time para jogar um pouco mais fechado para não deixar tantos espaços. Mas na frente o problema é enorme, com um William isolado e Rômulo sem jogar absolutamente nada. Aí fica difícil.

Com isso, o Figueira pode focar na Copa do Brasil e na Série A, já que não corre mais nenhum tipo de risco. Enquanto isso, o Avaí vai para um jogo que promete ser dramático contra um Guarani que vem de duas vitórias seguidas. Uma derrota vai levar o time para a última rodada na condição real de ser rebaixado em caso de derrota. Considerando que o presidente deve renunciar nesta segunda, conforme informa a reportagem do Notícias do Dia, a semana promete ser tensa na Ressacada.