sexta-feira, 8 de julho de 2016

Conheça a segundona: Barra

BARRA FUTEBOL CLUBE
Fundação: 18 de janeiro de 2013
Cores: Azul e Amarelo
Estádio: Augusto Bauer (pertence ao C. A. Carlos Renaux) - 5.500 pessoas
Presidente: Ana Deyse Mauro Rebouças
Técnico: Círio Quadros
Ranking "BdR" 2015: 17o. Lugar
Catarinense 2015: Campeão da Série C




Com três anos de existência, o Barra é um clube que tem uma organização bem interessante e dinheiro em caixa. Mandará os seus jogos no Estádio Augusto Bauer em Brusque, onde pagou, de forma adiantada, a taxa do aluguel ao Carlos Renaux. Foi campeão da Série C do ano passado com uma facilidade tremenda, fazendo uma campanha quase perfeita de doze vitórias e apenas um empate, com 51 gols marcados e apenas 11 sofridos. Chega à segunda divisão com autoridade, aumentando a sua estrutura e com um time que tem total condição de conquistar o acesso. O Barra quer ser uma referência na formação de jogadores. Possui um Centro de Treinamento em Camboriú com dois campos oficiais, além de uma casa que serve de alojamento para atletas, coisa que muito clube mais velho não tem.

O técnico do Barra é Círio Quadros, de 54 anos e com currículo no futebol gaúcho, onde treinou o Riograndense-SM, Aimoré, Sapucaiense e o Caxias. Veio para Santa Catarina no ano passado, onde comandou o time no título incontestável da terceira divisão. Ganha a oportunidade de comandar a campanha na Série B, montando um time que mescla experiência com jovens talentos, alguns egressos do trabalho de base realizado no clube.





O elenco do Barra mostra que o clube não entra apenas para participar. Muitos dos nomes mais experientes são rodados no futebol catarinense, caso do volante Cambará, ex-Brusque, do zagueiro Elton e do atacante Diogo Dolem, ambos ex-Metropolitano, do lateral Ruan, do Novo Hamburgo, o meia Chiquinho, ex-Caxias e do atacante Cadu Mineiro, ex-Chapecoense que disputou o último estadual da primeira divisão pelo Camboriú. Comparando com elencos dos outros clubes, colocaria entre os três ou quatro mais fortes deste campeonato.

O Barra não tem torcida, possivelmente jogará com pequenos públicos, mas investiu forte para conseguir o acesso. Não me surprenderei se o clube chegar nas últimas rodadas disputando uma das duas vagas, até porque o trabalho de montagem do elenco chama muito a atenção. Vai para a lista dos candidatos.


quarta-feira, 6 de julho de 2016

Conheça a segundona: Concórdia


CONCÓRDIA ATLETICO CLUBE
Fundação: 2 de março de 2005
Cores: Vermelho, Verde e Branco
Estádio: Domingos Machado de Lima (Municipal) - 8.000 lugares
Presidente: Hilton de Almeida
Técnico: Celso Rodrigues
Ranking "BdR" 2015: 13o. lugar
Catarinense 2015 : 6o. Lugar na Série B




O único representante da região Oeste na segundona conseguiu um acesso recente, disputando a elite em 2011 e a Série D do Brasileiro no ano seguinte. O clube não fez boa campanha no ano passado, com um grupo mais modesto que contava com a presença do experiente atacante Rodrigo Gral. Fazer futebol na cidade é um grande desafio, já que há um concorrente de peso ali perto do estádio municipal: o time de futsal, que disputa a Liga Nacional e ocupa a maior parte do noticiário. Fiz um exercício de procurar notícias do CAC nos sites de rádios locais e encontrei a grande maioria de informações do futsal. É em cima deste cenário que o Galo do Oeste tem que usar de criatividade e muitas ações para trazer torcedores e dinheiro para montar um time forte. Uma das soluções encontradas foi uma parceria com a Chapecoense, que cedeu jogadores do seu time sub-20 para dar cancha na segundona. O Criciúma também cedeu atletas, formando uma estrutura que foi adicionada com alguns jogadores experientes.



E o técnico do Galo para a segundona tem passagem recente pelo Brasileirão e é muito querido em Chapecó: Celso Rodrigues, ex-auxiliar técnico do Verdão e que chegou a treinar o time na Série A após a saída de Gilmar Dal Pozzo em 2013. Terá uma oportunidade interessante para mostrar serviço fora da Chape, e quem sabe construir uma carreira solo de sucesso como treinador. Acredito que tenha sido essa a intenção ao aceitar o convite do Concórdia.






Com orçamento limitado, a diretoria montou um elenco jovem, com muitos jogadores que vem por empréstimo sem custo. No meio deles, nomes experientes com o do zagueiro Rafael Morisco (lembra dele?), de 29 anos, que, depois de fazer certo sucesso na Chapecoense, acabou indo para o Vasco. Ele já havia atuado no CAC no ano passado. Outro reforço experiente é o goleiro Vanderlei, ex-Brusque, que é residente na cidade.

O Concórdia pode ser surpresa no campeonato. Possui jogadores jovens que treinavam em alto nivel nos seus clubes de origem, mesclando com experiência e com um treinador competente que poderá tranquilamente alçar voos altos depois de anos de trabalho na Chapecoense. Se conseguir encontrar o balanço ideal, vai incomodar.



terça-feira, 5 de julho de 2016

Conheça a segundona: Almirante Barroso

CLUBE NÁUTICO ALMIRANTE BARROSO
Fundação: 11 de maio de 1919
Cores: Verde e Branco
Estádio: Camilo Mussi (particular) - 3000 pessoas
Presidente: Hélio Orsi
Técnico: Renê Marques
Ranking BdR 2015: 22o. lugar (como SC Litoral)
Catarinense 2015: Vice-campeão da Série C




O Barroso, inativo no futebol desde 1971, retornou direto na segunda divisão através de uma parceria com o Sport Club Litoral, que por sua vez comprou o finado NEC, de tantas confusões no futebol catarinense no passado. Dentro de campo, o Litoral não conseguiu o acesso direto à Série B, mas acabou sendo beneficiado pela desistência do Atlético de Ibirama da primeira divisão, o que acabou dando uma chance ao Guarani de Palhoça, abrindo mais uma vaga na segundona. Buscando uma exposição maior, e aproveitando a péssima situação política do Marcílio Dias, o presidente do Litoral, Adriano Cipriano, procurou o Barroso. Assinou uma parceria de 10 anos para uso do nome do clube e reformou o estádio Camilo Mussi, que também é situado no centro de Itajaí, assim como o Marcílio. O campo foi totalmente reformado e sediará, no dia 17 contra o Porto, o primeiro jogo oficial disputado em gramado sintético em Santa Catarina (o gramado é esse da foto, com marcações diferenciadas pala society). O clube fez barulho, lançou uniformes com grande festa e está pronto para duas brigas: primeiro, buscar o acesso. E depois, entrar na concorrência com o Marcílio, por anos o único time da cidade, mas que vive uma situação horrível (isso será assunto no post dedicado ao Marinheiro).

O técnico do Barroso para a Série B é Renê Marques, ex-goleiro do Bahia e Marcílio Dias e que comandou o time na terceira divisão do ano passado. No primeiro semestre treinou o Naviraiense, do Mato Grosso do Sul, onde passou por um susto: em março, em um jogo contra o Ivinhema, Renê sofreu um princípio de AVC. Recuperado, trabalha normalmente.








O elenco barrosista para a Série B não tem medalhões como alguns dos seus concorrentes, mas conta com alguns jogadores conhecidos em Santa Catarina, caso do volante Jânio, ex-Brusque, do meia Safira, ex-Londrina e Foz, além de Rodrigo Couto, talvez o mais experiente, que tem passagens pelo Marcílio Dias (tem torcedor que achou traição), Metropolitano, Camboriú e Ibirama.

O alviverde de Itajaí, que muita gente não sabia que existia, chega para tentar dar uma chachoalhada na cidade que tem uma das maiores economias do Estado, mas que não colhe bons resultados no futebol já há algum tempo. Fico curioso para saber como será isso. O novo clube do futebol catarinense, quase centenário em sua história, está se preparando melhor que o rival da Rua Gil Stein Ferreira. Terá apoio da comunidade mesmo depois de tanto tempo sem jogar? E como será a disputa interna com o novo-velho rival Marcílio? Algo a ser olhado com carinho no campeonato que está chegando.