sexta-feira, 29 de julho de 2016

Segundona: terceira rodada que pode complicar os primeiros clubes

A Série B do Catarinense chega neste final de semana à sua terceira rodada, o que pode já fazer com que os times que lideram o campeonato, Barroso e Operário, cheguem aos nove pontos. A pressão maior é do Marcílio Dias, zerado na competição, e que vai jogar fora contra o Tubarão. Em se confirmando o favoritismo, o Marinheiro permanecerá zerado na classificação, com uma distância já grande do "G2", tendo o clássico contra o Barroso na semana que vem.

A rodada tem três jogos interessantes. Em Brusque, o Barra, que passou o carro no Marcílio, enfrenta um Operário de Mafra que impressionou até aqui. No domingo pela manhã, o Barroso defende a liderança contra o Hercílio Luz, machucado depois da derrota em casa para o Atlético Tubarão. Teve até treino fechado por lá, com muita cobrança. De quebra, o time anunciou dois reforços: o atacante Soares, ex-Figueira e Flu, e o meia Roger Guerreiro, ex-Flamengo que atuou na seleção polonesa. Se o time da casa vencer, levará uma moral gigante para o jogo mais esperado do ano em Itajaí.

A outra partida a prestar atenção é Tubarão x Marcílio, na estreia do Peixe no estádio de Vila Oficinas, agora liberado. O time de Mabília encontrou bom futebol na vitória sobre o Hercílio e pegará um adversário fragilizado, que tem um elenco comprovadamente frágil e que demitiu o técnico José Macena.

A situação do Marcílio Dias inspira cuidados, e nesta semana surgiram boatos de reforços e de quem seria o novo treinador. Aí vem o dilema: se o Marinheiro quiser se recuperar, vai ter que montar um time novo (mercado até tem, com o final da primeira fase da Série D, tem atleta na praça). O problema é dinheiro. A turma que botava grana no clube não está junto, ainda mais em ano eleitoral. Imagino que o aporte só viria com o desembarque da atual diretoria. O problema é que pode ser tarde demais.


quinta-feira, 28 de julho de 2016

Inter de Lages vende ingressos com desconto em folha (até parcelado!)

Que fazer futebol não é fácil, todos sabem. E fazer em clubes menores, é tarefa ainda mais complicada. E o Inter de Lages criou uma estratégia de venda de ingressos que acho ser única no país: o ingresso consignado, com valor descontado em folha

Várias empresas da cidade, e até o sindicato dos servidores públicos aderiram à iniciativa. O valor pode ser até parcelado em cinco vezes, caso o torcedor compre cinco ingressos.

A promoção vale para o jogo do colorado lageano neste final de semana, contra o Caxias. Taí uma ideia que pode fazer muita gente pensar como isso não apareceu antes.




O atropelamento em Campinas e suas sequelas

Se o Figueirense tivesse sido eliminado da Copa do Brasil pela Ponte por 1 a 0, o resultado seria lamentado, mas interpretado como um "vida que segue".

Mas não, foi 5 a 0. Meio que um 7 a 1. Uma derrota que dispara mais que um sinal de alerta. Chama a atenção que algo precisa ser feito, já que o time foi lá e acabou atropelado, às portas do início do returno do campeonato brasileiro.

Bom ressaltar que esse time fez um bom jogo contra o Corinthians e poderia ter vencido a partida, com direito a erro de arbitragem.

Uma atuação pífia de um time que ganhou pressão extra para o resto do Brasileiro. Foi defenestrado da Copa do Brasil com uma sonora goleada que vem em mau momento, para um time que não sabe o que é vencer há um bom tempo

Argel precisa rever conceitos do time e ver onde ainda poderá tentar reforçar o grupo.




domingo, 24 de julho de 2016

Chapecoense vence com drama para se manter "na conta" da classificação

No sábado, o Figueirense arrancou um empate que poderia ser algo melhor em São Paulo, não fosse um erro bisonho do árbitro que não expulsou Cássio. Era gol? Não era, mas como o time vencia e tinha a chance de ampliar, era claro que o cenário era absolutamente favorável para uma vitória, que não veio. Resultado ruim para os dois, e o Figueira segue na zona de rebaixamento, mesmo jogando bem. Nada de desespero, mas muito trabalho para Argel.

Já a Chapecoense sofreu um monte para vencer um Botafogo que vinha tentando se acertar, mesmo presente na borda do Z4. Caio Junior foi feliz nas alterações e a vitória fez o time chegar no "meio da meta", faltando três rodadas para o fim do primeiro turno.

A conta é a seguinte: considerando a meta histórica de 44 ou 45 pontos para escapar do rebaixamento, a Chape chegou a metade desse número três jogos antes do final do primeiro turno, e essa é a verdadeira "gordura" a ser medida. Depois de uma sequência de três jogos e apenas um ponto conquistado, essa vitória veio em excelente hora.