sábado, 8 de outubro de 2016

Avaí perde para o melhor da Série B, JEC perde mais pontos na pobreza do seu ataque

A comissão técnica do Avaí fez algo correto. Poupou Marquinhos, o craque do time, do jogo contra o Atlético em Goiânia. É necessário reconhecer que o time de Marcelo Cabo é melhor. E é mesmo, joga redondinho, é muito bem articulado, e caminha para um acesso tranquilo para a Série A.

Em cima disso, não há demérito nenhum na derrota em Goiás. Desfalcado, o time não é o mesmo, até por causa das limitações de elenco. Sem o craque do time, pior ainda. Então, esse pode ser considerado um jogo "perdível". O próximo jogo, em casa, contra o Tupi, é para marcar mais três pontos e seguir em frente na luta pelo acesso. Existem derrotas e derrotas, mas essa era meio que programada.

Já o Joinville continua o mesmo. Um primeiro tempo pobre contra o Paysandu, e um segundo de maior pressão, coisa de quem está desesperado atrás do resultado. Ficou no zero a zero e com uma diferença de seis pontos para a saída do Z4. Uma consideração importante: dois atacantes do time, Claudinho e Erick Luis, provam jogo após jogo não ter condição alguma de atuar. Mesmo assim, o técnico Ramon Menezes os mantém em campo. Pior: vai para a entrevista coletiva dizer que foram bem. Começa mal a carreira o treinador, ao fazer média em cima de atletas que pouco mostram. Como a situação do JEC é de iminente queda, ele é o menos responsável por tudo. Poderia ficar sem essa.

O desespero aumenta. O próximo jogo é contra o Paraná, que não faz grande campeonato, para depois pegar fora o CRB, que já foi um favorito, mas acabou despencando na tabela. Todos estão desacreditados. Cabe agora ao time tentar um milagre improvável.