quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Catarinense 2017: Atlético Tubarão

A partir de hoje, o Blog lança a edição 2017 das análises dos times do Campeonato Catarinense 2017. Diariamente, abordaremos cada clube, com um apanhado do seu trabalho, perfis dos principais personagens e um exercício de adivinhação sobre onde cada um pode chegar. Iniciando a série, vamos ao perfil do Tubarão, que retorna à elite com o vice-campeonato da Série B do Estadual no ano passado.


CLUBE ATLÉTICO TUBARÃO
Fundação: 14 de Abril de 2005 (como ACRE Cidade Azul)
Cores: Azul, Preto e Branco
Estádio: Domingos Silveira Gonzales (Municipal) - 3500 lugares 
Presidente: Gilmar Negro Machado
Técnico: Marcelo Mabília
Ranking "BdR" 2016: 9º lugar
Catarinense 2016: Vice-campeão da Série B


O Atlético Tubarão volta à primeira divisão cheio de expectativa, depois de colocar fim à síndrome do "quase" que durou alguns anos na segundona. Depois de bater na trave e até chegar escapar o acesso nos critérios de desempate, desta vez uma sólida campanha levou o Peixe à elite com a melhor campanha na fase de classificação. Acabou ficando com o vice, sendo superado pelo Barroso na decisão.

Chama a atenção o processo de reestruturação do clube, que chegou a passar por dificuldades há alguns anos. Hoje a gestão é terceirizada, com aporte financeiro e a filosofia de ser um clube com processos profissionalizados. O velho estádio de Vila Oficinas  (onde antigamente jogava o Ferroviário) foi remodelado, com troca total do gramado e melhoria da estrutura, que estava precisando de um maior cuidado. Os planos são ousados: o Tubarão quer subir degraus no campeonato brasileiro e fazer que a cidade de Tubarão volte a aparecer no cenário nacional 15 anos depois daquele outro Tubarão (que não tem a ver com esse) que chegou a disputar a Sul-Minas em 2002.


O clube teve uma escolha muito feliz no ano passado ao contratar Marcelo Mabília, de 44 anos, para o comando técnico. Ex-jogador do antigo Tubarão FC na década de 90, tendo passagem também pelo Figueirense, apareceu com destaque por aqui em 2015, quando fez ótima campanha com o Internacional de Lages, conquistando inclusive uma vaga na Copa do Brasil. Neste intervalo, também treinou o Tombense. Montou um time experiente para conquistar o acesso e conseguiu, com alguns dos jogadores de confiança nos tempos de serra. E, com alguns deles no elenco, tentará voos mais altos no Estadual, buscando uma vaga na Série D em 2018.



O elenco, que tem remanescentes de 2016, como o atacante Valdo Bacabal, foi reforçados com nomes conhecidos, como o colombiano Wason Rentería, aquele mesmo que passou pelo Internacional, o zagueiro Gustavo Bastos, ex-ABC e Avaí, o goleiro Luis Carlos, ex-Sport e o bom volante Ricardo Conceição, de três temporadas no Paraná Clube e uma passagem curta pela Chapecoense.

Com um orçamento que não é grande, mas também não é dos menores, o Tubarão mostra sua cara na primeira divisão com uma grande organização, pelo menos é o que dá pra ver de fora. O elenco é interessante e o técnico é bom, dando a certeza que a montagem do elenco foi bem feita. Resta ver onde irá chegar em um campeonato de nível técnico maior. A cidade azul, de tanta tradição no futebol, merece um representante à altura da sua importância.



Um comentário:

  1. Boa, Rodrigo.

    Apenas a capacidade do Domingos Gonzáles está errada. Atualmente são ~2000 torcedores e para este catarinense ficará em ~2500 (+300 para visitante em arquibancada móvel e +200 em camarote que será montado).

    ResponderExcluir