quinta-feira, 13 de julho de 2017

Coluna - 13/07

GRANDE NEGÓCIO

A Chapecoense acabou vendendo o atacante Rossi para a segunda divisão da China, pela bagatela de 3,4 milhões de Euros, mais de 12 milhões de reais. O jogador era titular do time, mas, vamos concordar, não era insubstituível. Aliás, o clube fez muito dinheiro com essa transação: ele foi adquirido por R$ 800 mil e a Chape vai faturar, tendo 75% dos direitos do jogador, mais de 9 milhões de reais. Diante dos números, a negociação é absolutamente inevitável. Não tenho os números históricos, mas acredito que foi a maior bolada que um clube catarinense já recebeu em uma transação. Com dinheiro em caixa, chegaram reforços. O último é Julio Cesar, atacante de 22 anos que estava no Oeste de Itápolis, com passagens por Caxias, ABC e Internacional de Lages.

REDONDO

O Corinthians fez um jogo redondinho contra o Palmeiras. Soube controlar espaços, impôs seu jogo em território inimigo e venceu mais uma daquelas partidas "chave" na sua campanha até agora perfeita. O Flamengo, que joga hoje, tentará evitar que a distância enorme aumente ainda mais. Muitos (inclusive eu) olham para a tabela tentando adivinhar quando será o primeiro tropeço. Em um campeonato tão equilibrado, uma hora ele vai aparecer.


ESFRIA

Com a notícia de uma possível negociação do Flamengo com Diego Alves, goleiro candidato à seleção brasileira que quer sair da Espanha, esfria o rumor de que Douglas Friederich poderia deixar o Avaí rumo ao Rio, algo previsto em contrato, mas que o presidente Batistotti não queria nem ouvir falar. Diante disso, ele terminará seu acordo até o final do ano. E se manter a média, vai ficar valorizado, até porque tem muito clube grande procurando um goleiro confiável.

MAIS UMA VARZEANA

Acompanhando as séries inferiores do Campeonato Estadual, de vez em quando aparecem as punições a clubes que não arcam com as taxas. O Jaraguá, lanterna da segunda divisão, foi a bola da vez. Devia as taxas, pediu pra parcelar. Não arcou com as parcelas, o Tribunal suspendeu. Dessa forma, o clube não tinha como indicar um estádio para mandar seu jogo contra o Fluminense de Joinville, no domingo. A Federação cancelou o jogo, deu vitória ao Flu por 3 a 0, e avisou que continuará assim até que o Jaraguá pague as suas dívidas.

JASC 1
Governo do Estado divulgou reunião com o governador Raimundo Colombo, o secretário Leonel Pavan e o presidente da Fesporte, Erivaldo Caetano Jr., o Vadinho, sobre os Jogos Abertos de Santa Catarina deste ano, que aconteceriam em Chapecó e foi transferido no início do ano para Lages. Chama atenção os R$ 2,5 milhões repassados pelo governo estadual para as obras ligadas à competição. Nestes anos que cubro os JASC, não lembro de repasse tão grande. No máximo, a metade disso para outras sedes.

JASC 2
Aliás, os Jogos Abertos desse ano, muito criticados pela forma com que municípios contratam dezenas de atletas de fora para as competições, prometem ter uma boa diferença: como muitas prefeituras estão apertando o cinto de todas as formas para colocar as contas em dia, não vai sobrar para aquela avalanche de contratações. A tendência é que os times "da casa" apareçam em maior número. Exceções são o futsal e o basquete, por exemplo, que já possuem equipes profissionais disputando campeonatos e iriam prontas para os JASC.


Nenhum comentário:

Postar um comentário