sexta-feira, 14 de julho de 2017

Coluna - 14/07

DUCHA FRIA

O Avaí foi absurdamente envolvido pelo Coritiba, tomando uma goleada em casa que manda pra longe toda e qualquer empolgação depois da vitória em Porto Alegre. O mais preocupante, pensando a longo prazo, é a forma com que o time não consegue se impor jogando dentro de casa, onde vencer é muito mais importante. Deu tudo errado: o time tentava esboçar uma organização quando tomou o gol. Marquinhos empatou, mas nem deu tempo. As alterações de Claudinei Oliveira detonaram o time no segundo tempo, o que jogou tudo por água abaixo. Até Douglas falhou.
São pontos doloridos, que fazem o time ficar mais longe da saída da zona de rebaixamento, aumentando a pressão mesmo depois de três jogos sem perder. Pela frente o Bahia, na Fonte Nova, que esboça uma recuperação e vem de vitória importante fora de casa. Momento delicadíssimo


DESENCONTRADA

A Chapecoense deu em Recife uma prova do coelho que Vinicius Eutrópio terá que tirar da Cartola para salvar o time do rebaixamento. Um time perdido, sem referência, que acabou envolvido pelo organizado time do Sport, com suas quatro vitórias seguidas e uma posição cômoda no alto da tabela. Penso que todos nesses anos que a Chape está na Série A, esta é a situação mais delicada. Para complicar, Rossi foi embora, quatro estão suspensos para domingo e o Z4 está batendo na porta. Domingo tem jogo contra o São Paulo, um "jogo de 200 pontos". A vitória significa distanciar de adversário direto, possivelmente o ganho de algumas posições (são quatro times com 15 pontos e dois com 17) e dar algum certo alívio. Se perder, é mais complicação.

FASE

O São Paulo é o tipo de time que não tem elenco ruim, mas nada dá certo. Quem viu o jogo contra o Atlético-GO viu que o nervosismo ultrapassa a razão em alguns momentos, e isso é um sintoma muito perigoso para quem briga pra não cair. O time irá a Chapecó com a obrigação de vencer um adversário direto.

VOLTA?

É notícia desta manhã que o Palmeiras estaria requisitando a volta de João Pedro, hoje emprestado à Chapecoense, que fez apenas uma partida no Brasileirão. Essa fato me despertou uma dúvida, até pensando em longo prazo: a grande maioria dos jogadores estão no time por empréstimo até o final do ano. Logo, uma nova reconstrução terá que ser feita no final do ano, já que os destaques dificilmente terão contrato renovado. Além do mais, esses empréstimos tem cláusulas bem flexíveis, que permitem a "reintegração" caso sejam chamados. É problema em cima de problema. Notícia boa mesmo foi o caminhão de dinheiro que entra no clube com a venda de Rossi.


Nenhum comentário:

Postar um comentário