sábado, 25 de fevereiro de 2017

Avaí campeão invicto do turno, com algo a mais que os outros

Leandro Romano / Avaí FC
O Avaí confirmou o título do primeiro turno do estadual no segundo match-point que teve a disposição mostrando que nem o gramado sintético de Itajaí é capaz de segurá-lo. Mostrou sua qualidade muito superior e não deu chance ao Barroso, que aposta em sua casa para se segurar na primeira divisão. Não deu.

O Leão vai à final do campeonato com uma condição bastante interessante para levar o título sem final. Isso não quer dizer uma garantia. Hoje, o time mostra uma organização bem maior que os oponentes, que não conseguem estabelecer uma sequência. Se não vejamos: o Figueirense deu um aperto no clássico mas voltou a ser a mesma bagunça contra o Tubarão. A Chapecoense cresce, mas ainda não consegue se estabelecer. Pesa ainda a Libertadores, que começará em breve e, obviamente, será priorizada. O Criciúma era o time mais próximo disso, mas quem falha do jeito que falhou contra o Metropolitano precisa ser olhado com ressalvas. Dos pequenos há o Brusque, que venceu fora de casa o Inter, que fez excelente campanha, mas não vê o título como prioridade.

No ano passado vemos uma Chapecoense arrebentar no primeiro turno mas perder terreno no segundo, abrindo espaço para uma final contra o Joinville. Em situação parecida está o Avaí, que tem time superior mas pode acabar, em uma escorregada, tendo que jogar a decisão.

Quem chega a um título de turno invicto merece respeito. Não dá pra aplicar teorias da conspiração. A única coisa certa é que o time, obviamente, precisará se qualificar para a Série A, já que o nível do Estadual não é dos melhores. Mas entre os dez clubes, é o que está em melhores condições de chegar ao topo. Cabe agora ao time de Claudinei Oliveira evitar a tensão dos dois jogos finais.




domingo, 19 de fevereiro de 2017

Sob forte calor, Avaí encaminha o turno

Jamira Furlani / Avaí FC
Sob um calor infernal (e vamos ser sinceros, perigoso), Avaí e Brusque fizeram um jogo que não tinha como ser acelerado diante das condições. Pela importância, deveria ter mais gente. Se fosse no horário previamente marcado, era pra mais de 10 mil. Que jogassem mais tarde ou até segunda... mas enfim, aconteceu. Vamos falar do jogo.

O Leão foi muito mais eficiente e fez por merecer vencer a partida. O Brusque, completamente entregue, errrando um sem número de passes e dando apenas um chute a gol, foi presa fácil. No primeiro tempo, o time da casa se impôs e, mesmo desfalcado, mostrou que tem o padrão muito bem assimilado pelo grupo e peças de reposição no banco capazes de manter a força. O ritmo for forte, mesmo com o calor.

No segundo tempo, o Brusque até conseguiu o empate, mas sobrava qualidade ao Avaí que, além de vencer o jogo, também carimbou a trave de Rodolpho mais de uma vez. Uma vitória que amplia ainda mais a frente do time, que pode confirmar o título do turno contra o Figueirense e ainda mais, manter uma distância que pode lhe garantir a decisão do campeonato em casa (caso, claro, não leve também o segundo turno)

O Bruscão de Pingo tem que apagar esse jogo da memória. Nada funcionou, e dois problemas precisam ser analisados: se Assis tem essa bola toda pra continuar sendo titular e se a dupla de zaga Clayton-Neguete não precisa passar por mudanças. Chegou um zagueiro, Willames, com a ideia de ser titular. Resta saber se o treinador tera culhão para mexer em um setor que mostra seguidas falhas de posicionamento.

A liderança avaiana não é fruto de sorte. É a consolidação do melhor time do campeonato. O nível não está lá dos melhores, mas tem vantagem quem é mais organizado. E nesse quesito, a supremacia avaiana não deixa dúvidas.