quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Argel é chamado pelo Criciúma pra fazer o que sabe

Esse namoro demorou pra virar casamento. Após anúncio, ruído de comunicação, desmentido, proposta de reconciliação e o anúncio oficial, foi um tempo. Enquanto isso, o Criciúma seguia com técnico interino em busca de dias melhores. Cada vez mais pressionada, a diretoria traz Argel Fucks com a missão de fazer o que o treinador sabe fazer bem (e odeia que falem sobre isso): apagar incêndio.

E além de agir como bombeiro, cria uma fina cortina de fumaça para dar um tempo de alívio ao presidente Jaime Dal Farra, que enfrenta ferozes discursos pedindo a sua saída. Para isso, gastou uma boa grana para trazer o técnico. Muitos torcedores queriam. Talvez, o método "Vamo lá, porra!" dele sirva para mexer um elenco que claramente tem carências. Mas talvez o chacoalhão sirva para, pelo menos, deixar o Tigre longe da zona de rebaixamento no Estadual. Sem chances de título estadual e humilhantemente eliminado em casa para o Cianorte na Copa do Brasil, a sua missão é conquistar pontos suficientes para não cair e focar na Série B, que começa em abril.

Argel é assim. Tem quem gosta dele, tem quem não gosta. Suas coletivas são cheias de frase de efeito. Tem torcedor que ama isso. Eu não contrataria para o meu time, mas admito que, em um mercado limitado a essa altura do campeonato e com o time jogando mal, a saída encontrada pelo Criciúma não é errada. Apesar de investir em um técnico mais caro e perder poder para contratações, um rebaixamento pode ser muito pior.

E que venham as impagáveis coletivas.




Nenhum comentário:

Postar um comentário