segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

E vem aí o Catarinense pela Internet. Desafio maior é ser rentável

O teste aconteceu no domingo e a iniciativa começa pra valer no dia 4. A Associação de Clubes resolveu transmitir o campeonato em formato pay-per-view com preço bem convidativo.

Não é inédito, mas é ousado. Tenta implantar acesso pago para jogos do Catarinense. Outros estaduais tem transmissões, porém gratuitas e abertas ao mundo.

Não assisti os jogos, mas pelo que pude acompanhar, o produto é bem entregue. Já tive o prazer de trabalhar com a produtora responsável, a Primer, em transmissões que fiz na época da RIC Record. Ali tenho certeza que tá tudo certo. No pacote, a produtora escalou um time de narradores, comentaristas e repórteres da capital, que terão bastante trabalho. No quesito imagem, acho que não haverão problemas. Uma sugestão que deixo é disponibilizar as partidas on demand, pra quem quiser assisti-las em outro horário.

Os preços são bem convidativos, a R$ 9,90 por jogo e R$ 49,90 pelas oito rodadas finais do campeonato. O valor é até simbólico perto do que o Premiere, por exemplo, cobra (aqui no sistema que assino são 64 reais mensais).

Mas tenho uma preocupação grande sobre a rentabilidade deste modelo. Considerando que um jogo tem um custo de produção de aproximadamente 13 mil reais (partidas no Oeste esse valor aumenta por motivos óbvios), essas transmissões precisariam ser bem vendidas.

Vamos a um exemplo. A ideia, divulgada pelos promotores, é de transmitir todos os jogos do campeonato, o que é bem ousado e muito legal, partindo do ponto que todos poderão, enfim, ter acesso ao campeonato todo. Vamos supor então a transmissão de uma partida entre Concórdia e Internacional de Lages, no Oeste, com um deslocamento caro para uma equipe de transmissão. Partindo do preço de quase 10 reais por ponto, seriam necessárias 1300 assinaturas para cobrir o custo de transmissão. Considerando que o Inter, no último jogo, colocou 780 torcedores no Estádio e as médias dos clubes menores do estadio giram em torno dos mil pagantes, teria que haver um esforço gigantesco para conseguir bater a meta para pagar os custos de transmissão. E isso que não estou falando em dinheiro sobrando para os clubes.

É um modelo muito bom, mas é caro. Considere-se ainda a "pirateabilidade" do sistema ( afinal, vivemos no Brasil, onde o número de assinaturas de cabo cai na mesma proporção que sobe o número de "gatos") e as dificuldades conhecidas da estrutura de internet em Santa Catarina, onde nem mesmo as grandes cidades escapam de empresas que prometem uma banda e entregam 10 ou 15% dela (quem não tem fibra ótica em casa pode ter problemas). São desafios a serem superados.

Você pode perguntar: mas Rodrigo, você acha o modelo revolucionário, mas vê problemas nele a ponto de não dar certo? Longe disso. Tudo o que venha a acrescentar e render uma boa grana aos clubes é bem-vindo. Mas imagino que a Associação tenha colocado tudo na ponta do lápis para ter um produto rentável. Eu faria diferente, usando o poder do Youtube e das ferramentas de monetização, além do alcance mundial, para transmitir e difundir o campeonato em plataforma global, com uma grande preocupação comercial em ter cotas de patrocinadores que bancariam o investimento em uma plataforma aberta, em servidor altamente confiável, com acesso fácil em Smart TVs. Foi isso que fizeram Atlético e Coritiba nos clássicos do último campeonato paranaense.

De toda forma, torço pra que dê certo. Não vai ser fácil vencer uma resistência comum a produtos inéditos, mas o mercado está aí para ser conquistado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário