domingo, 8 de abril de 2018

Figueirense cala a Arena Condá, com a cabeça no lugar e nas mãos de Denis

Toda e qualquer final em jogo único tem ingredientes próprios que vão além da disputa ter metade do tempo do usual. Toda a caminhada de 18 partidas se resume em 90 minutos. Uma bobeada, um chute desviado, uma falta maldosa ou até mesmo a falta de cabeça podem ser fatais.

No caso da Chapecoense, o psicológico pesou. O Figueirense entrou em campo com a cabeça no lugar, sabedor da responsabilidade do outro lado, e foi melhor, pelo menos, nos 35 minutos iniciais. Lá, o jogo já estava 1 a 0, com o Figueira tocando bem a bola e controlando a partida. Como era de se esperar, o desespero virou abafa, e a receita era segurar. Embaixo da trave estava Dênis, que deu conta do recado e até contou com estrela, na falta de Canteros que explodiu na trave. Com o contra-ataque exposto, abriu-se o caminho para Maikon Leite, colocado por Milton Cruz na reta final do jogo exatamente para isso, tocasse na saída de Jandrei para sacramentar o título.

A Chape foi para a final com números fortes: eram treze jogos sem perder, com gols marcados nas últimas sete partidas. Dênis quebrou essa sequência. O Figueirense foi a campo bem armado, tranquilo e conhecendo bem o adversário. Não é novidade que Jandrei gosta de ficar adiantado, uma vez que a saída de bola começa com ele muitas vezes. Na roubada que originou no gol de Ferrareis, ele estava na marca do pênalti e foi recuando. O jogador do Figueira foi esperto e arriscou. O goleiro se atrapalhou, e o time que já estava pilhado em excesso estourou o medidor.

O grande nome deste título do Figueirense foi Milton Cruz. Já lá no começo do campeonato chamava a atenção pelo fato de ter um time bem arrumado. Perdeu um pouco do gás na reta final, é verdade, mas deu mostras de ter o elenco nas mãos. Tanto que foi melhor preparado para a decisão, contra um adversário que carregava números dignos de um superfavoritismo.

O jogo em si não foi o melhor em emoção. O campeonato em si teve regulamento criticado. Mas ele estava ali e a situação da decisão estava escrita. Parabéns a quem foi mais eficiente dentro dos noventa minutos que realmente valiam. Parabéns ao Figueira.


Nenhum comentário:

Postar um comentário