sexta-feira, 1 de junho de 2018

Conheça a segundona: Metropolitano

CLUBE ATLÉTICO METROPOLITANO
Fundação: 22 de janeiro de 2002
Cores: Verde e Branco
Estádio: Sesi (Particular) - 6000 pessoas 
Presidente: Saulo Reitz
Técnico: Rodrigo Cascca
Ranking "BdR" 2017: 10o. Lugar
Catarinense 2017: 10o. Lugar na Série A



Ano duro para o torcedor do Metropolitano, que não vê o time entrar em campo desde julho do ano passado, quando encerrou a participação do time na Série D. Não foram dias fáceis, mas a tragédia meio que vinha sendo anunciada. Desde 2016 o time não vinha bem das pernas. O ex-presidente Pedro Nascimento não teve sucesso para conseguir bom orçamento e o time não se qualificou. Acabou rebaixado no Estadual em último lugar, com apenas 4 vitórias em 18 partidas. Fazer futebol em Blumenau não é fácil: a torcida vai em pequeno número, as vistorias enchem o estádio do Sesi de problemas, e agora a realidade é de segunda divisão. Coube ao novo presidente, Saulo Reitz, a missão de comandar essa volta por cima do Metrô, que terá que encarar a segundona depois de um longo período na primeira divisão. Passando por cima das dificuldades, ele conseguiu montar um time bem interessante.

O técnico do Metropolitano é Rodrigo Cascca, de 39 anos, que tem no seu currículo uma passagem pelo Camboriú na temporada passada. Estava no Toledo-PR e colecionou alguns resultados interessantes. Veio para o clube para a função de coordenador técnico e, logo, participou diretamente da montagem do time. E como a diretoria não encontrou um nome que se encaixasse na realidade do clube para ser o treinador, Cascca tom
ou o caminho natural e passou também a comandar o time na beira do gramado. É conhecido na cidade, por já ter trabalhado no Blumenau em 2014.



O elenco montado pelo Metrô é até surpreendente diante da realidade financeira de todos os times da segundona. O principal nome do elenco é o experiente zagueiro Douglas Silva, de 34 anos, ex-Avaí, Figueirense, Vasco e Joinville, que fez um campeonato estadual excelente pelo Brusque, sendo inclusive indicado para a premiação dos melhores do Top da Bola. Muitos podem perguntar como ele pode jogar a segundona de SC tendo atuação tão boa no início do ano. Acontece que seu empresário é parceiro do clube e viabilizou a sua permanência por lá. Outros bons nomes trazidos pelo Metrô são o goleiro Martins, o volante Grando e o meia Bruninho, do Hercílio Luz (olho nele), o meia Diogo Palhinha, ex-Avaí, e o zagueiro Rafael Schmitz, de 37 anos, que resolveu abandonar a aposentadoria para ajudar o Metropolitano em campo. Sua carreira tem passagem por um bom tempo na Europa, principalmente na França.

Não tem como não colocar o Metropolitano na lista dos favoritos ao acesso. Até pelos anos de participação na primeira divisão, o time tem a obrigação de conseguir seu retorno no ano seguinte, o chamado "bate e volta". É um time que tem uma defesa bem interessante, bons meias e um treinador que mostrou bons trabalhos. Deve estar entre os quatro semifinalistas.


Nenhum comentário:

Postar um comentário