sexta-feira, 22 de junho de 2018

Os minutos finais que podem fazer a diferença. Só que o Brasil precisa acertar a mira


O Brasil caminhava para um empate dolorido. Bombardeou a Costa Rica e ia parando nas mãos de Navas até o gol salvador de Philippe Coutinho que aliviou todo mundo e tirou o peso de uma tonelada das costas de todos. O gol de Neymar teve um efeito enorme, além da própria sensação de alívio: ele sabe que está devendo. Sabe que a corneta está enorme no Brasil. Não o condeno pelas suas lágrimas. Pode ser um desabafo para que, enfim, a Copa comece para ele a partir desta sexta-feira.

Antes de falar do time como um todo, temos que falar do famoso VAR, que trouxe um fator altamente positivo para o jogo: para mim o pênalti não existiu, e se o time tivesse vencido por 1 a 0 por causa desse lance, hoje estaríamos todos dizendo que "o Brasil só venceu por causa do juiz". Ainda bem que isso não aconteceu! Isso fez o time ralar ainda mais a bunda no chão e buscar a vitória. Pense pelo lado bom, no efeito benéfico, no que pode ser aproveitado nesse momento de união.

Agora, o time. Douglas Costa terá que ser o titular do time na quarta contra a Sérvia. Willian não conseguiu dar conta e foi peça morta na direita, onde teve ao lado um Fagner que não comprometeu. Douglas deu outra opção ofensiva e colaborou muito para dar mais poder de fogo.

Mas, nem tudo são flores. Se o psicológico parece ter melhorado com a vitória da forma que veio, tem coisa a ser aprimorada, e mais ainda, nas finalizações, problemas já apresentados na estreia. Estamos ainda em uma primeira fase de Copa, e não vai dar pra esperar até o mata-mata pra que isso seja resolvido. Claro que lá o cenário deve ser outro, inclusive pegando seleções que deverão propor o jogo e deixar espaço para que o Brasil trabalhe.

Quanto a Neymar, acho melhor, neste momento acolhê-lo do que criticá-lo. Ele tem consciência que não está rendendo, vindo de uma lesão. Mas ele ainda tem talento e poder de decisão em um lance que pode mudar todo um panorama. Assuntos a serem pautados por Tite até o jogo da última rodada, quarta que vem.

domingo, 17 de junho de 2018

Pontos a reclamar, pontos a acertar

Analisar esse jogo de estreia do Brasil na Copa permitiria uma série de vertentes que convergem a um único ponto: a decepção pelo empate contra a Suíça. Foi falta em Miranda? Foi pênalti em Gabriel? Porque o jogador suíço cabeceou em meio a um monte de jogadores brasileiros? A reclamação pra cima da arbitragem deveria ser maior? Muitas outras questões apareceriam, mas a verdade é que o resultado provocará não uma mudança de comportamento, mas talvez um aperfeiçoamento.

O Brasil fazia um ótimo jogo até o golaço de Coutinho e depois retraiu. A Suíça alterou seu posicionamento no campo e o esquema de Tite não conseguiu encaixar. Mas, mesmo assim, era melhor quando tomou o empate. O esperado volume de jogo maior no segundo tempo não apareceu, e acredito que isso irá mudar daqui pra frente. Não é algo difícil de se ajustar. Acredito fortemente que, contra a Costa Rica, o foco será maior e o time brasileiro, enfim, vai começar a Copa do jeito que queremos.

Mas precisamos falar de arbitragem. Sendo seco, houve falta em Miranda e tenho dúvidas sobre o pênalti em Gabriel Jesus. O bendito árbitro de vídeo que chegou com a promessa de ser a solução para os problemas do mundo não vem sendo utilizado pra tudo. O árbitro de carne e osso deveria, ao menos, dar uma olhada no lance. Afinal, era um gol. Mas como encheram de regrinhas de "pode ou não pode ver o monitor", a polêmica persiste. E discordo de Tite quando diz que não se deve reclamar de arbitragem. Tem sim, porque ele acabou mudando o resultado de um jogo.

A semana será de muito trabalho na seleção, e acredito que o foco será nas finalizações, que faltaram em qualidade nesta estreia. Nada de terra arrasada, e melhor que esses problemas pontuais apareçam agora. Ficou a decepção, senti falta do time forte e "pressionador" das eliminatórias. Mas esse jogo não passará seco. Haverá semana de cobrança e ajustes. Vamos pro próximo. Tem seleção forte que vai ter muita coisa a mais pra arrumar para a segunda rodada.